Os Verdes denunciam demolição de edifício em antiga fábrica de Portalegre

Os Verdes vão apresentar uma denúncia por crime contra o património devido à demolição de um dos edifícios da antiga fábrica Robinson, Património industrial de Portalegre pelo atual conselho de administração da sociedade gestora.

Em comunicado, o partido ecologista Os Verdes (PEV) adianta ter recebido uma denúncia, documentada com fotografias, de que o Conselho de Administração da Sociedade Corticeira Robinson "estaria a demolir a antiga fábrica Robinson, classificada de interesse público".

"O atual Conselho de Administração acabou de demolir um dos edifícios desse espaço, cuja parte do teto tinha sido afetada por uma derrocada, derrubando todo o edifício para cima das máquinas a vapor", refere o partido.

Os Verdes "alertados para esta situação vão imediatamente tomar as medidas necessárias junto do Ministério da Cultura e da DGPC (Direção Geral do Património e Cultura) e da própria polícia, onde pretendem entregar uma denúncia por crime contra o património".

O partido destaca também que vai exigir à Câmara Municipal de Portalegre esclarecimentos sobre se licenciou a "tal demolição".

Os Verdes lembram "a grande luta nacional" do partido através de uma ação junto do Presidente da República, do ministro da Cultura e na própria Assembleia da República, assim como uma petição nacional que levou à aprovação em 2017 por unanimidade de uma Resolução Parlamentar que "afirmava a vontade e urgência de salvar aquele património.

Em 2017, um grupo de cidadãos, entre eles dirigentes do PEV, entregaram na Assembleia da República a petição "Salvem a Robinson - Património Industrial Corticeiro" em Portalegre.

A petição, que reuniu mais de quatro mil assinaturas, tinha por objetivo "salvar e valorizar" o património cultural e material da antiga Fábrica Robinson, situada naquela cidade alentejana e envolvida num processo de insolvência após ter cessado atividade em 2009.

Ainda em 2017, a petição foi discutida na Assembleia da República, tendo sido aprovada por unanimidade uma recomendação ao Governo no sentido de salvaguardar e valorizar o património industrial corticeira da antiga fábrica.

De acordo com o texto da petição a fábrica foi "instalada em Portalegre desde 1837, por iniciativa de um grupo de industriais ingleses que se dedicavam ao trabalho da cortiça em bruto".

"Ocupando cerca de sete hectares em pleno centro histórico da cidade de Portalegre, a Fábrica Robinson cessou a sua atividade industrial nos primeiros anos do século XXI, mais precisamente em 2009, na sequência da insolvência da Sociedade Corticeira Robinson", refere o texto.

A petição sustenta que "as suas duas imponentes chaminés marcam o perfil da cidade, juntamente com a torre de menagem do Castelo e a frontaria e torres sineiras da Sé Catedral, construída em relação com a criação da Diocese de Portalegre e Castelo Branco e a elevação de Portalegre a cidade, por carta régia de D. João III, em 1550".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.