Os "astros estão alinhados" para o arranque da política europeia de defesa - analista

O investigador belga Sven Biscop considera que existe um "alinhamento dos astros" favorável ao início da construção do edifício da defesa europeia comum e espera que venham a ser dados "passos significativos" nesse sentido ainda este ano.

"Os astros estão todos alinhados: temos o Brexit, Donald Trump, Angela Merkel e o novo Presidente francês, Emmanuel Macron, que se apresenta voluntarioso e com vontade de fazer coisas novas e de deixar marcas. Alguns passos serão dados seguramente no final do ano em direção a uma defesa europeia comum", afirmou em entrevista à agência Lusa o diretor do programa "Europa no Mundo" no Egmont -- Royal Institute for International Relations, um influente instituto de análise na área da política externa, defesa e segurança com sede em Bruxelas.

Biscop antecipa que o Brexit venha a causar "mais problemas" à política externa da União Europeia do que uma política europeia de defesa comum, até pela própria natureza das operações no domínio da defesa, que podem ter diferentes enquadramentos: NATO, Nações Unidas, União Europeia, coligações "ad hoc" temporárias, etc.

"O Reino Unido deixará a União Europeia, mas não deixará de ser Europa. E, se a segurança da Europa exigir uma operação militar, penso que é muito provável que o Reino Unido faça parte dela", afirmou, à margem da conferência "Europe as a global Actor", a decorrer no ISCTE, em Lisboa.

Já em relação à política europeia de defesa, o investigador diz que o Brexit veio trazer um novo impulso à construção de um edifício cuja decisão vem a ser adiada há décadas. "Atualmente muitos Estados-membros querem avançar com a integração de capacidades militares. O Reino Unido nunca quis isso. Neste sentido, o Brexit cria uma aceleração do debate", afirmou Sven Biscop.

Quanto à política externa, o Reino Unido é um ator diplomático muito importante, membro permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, e o envolvimento de Londres na política externa da UE, "incluindo nos seus processos de decisão", é uma questão vital para ambos os lados do tabuleiro, para a qual terão que ser criados "mecanismos novos". "Se a União Europeia não conseguir envolver o Reino Unido, será uma perda para ambos os lados", diz Sven Biscop.

Se o Brexit, criou um "novo momento" para o avanço da política europeia de defesa, a eleição de Donald Trump para Presidente dos Estados Unidos "acelerou mesmo o debate".

"Primeiro tivemos o Brexit, que levantou a questão, e depois houve este estímulo extra resultante da eleição de Donald Trump. Os europeus não querem ver-se livres dos Estados Unidos, mas penso que [a chegada de Trump à Casa Branca] levou-os a pensar num plano B. Sentem que talvez não possam estar tão seguros em relação aos Estados Unidos quanto pensavam", afirmou o investigador.

Biscop sublinha as palavras de Angela Merkel, no final da última cimeira da NATO no início de maio, quando a chanceler alemã veio dizer que os europeus "precisam de alguma autonomia estratégica".

"Isso é mesmo novo", reforça o investigador, lendo na declaração de Merkel um sinal de que os europeus "começam a pensar", não em substituir a sua aliança com os Estados Unidos, mas em complementá-la, criando uma autonomia estratégica mínima com a capacidade para resolver por si determinado tipo de problemas.

"Penso que essa é uma reação clara a Trump", remata Biscop, ainda que reconheça que "a ideia não é nova".

Se o investigador vê "uma mudança" na forma como os Estados membros encaram a ideia de uma defesa comum, não tem, por outro lado, a "certeza" de que os 27 venham a fazer alguma coisa em consequência disso. "Depende da concertação entre a França e a Alemanha. Se os dois países se unirem, outros juntar-se-ão", diz.

Em todo o caso, "alguma coisa acontecerá seguramente no final do ano. Serão dados passos", garante Biscop.

Esses "passos", no entanto, podem não ser grandes, ressalva o analista. O Conselho Europeu que se realiza no final desta semana vai levar à mesa dos chefes de Estado ou de Governo questões como o reforço da cooperação da UE em matéria de segurança externa e defesa, assim como em matéria de segurança interna, mas Biscop faz votos de que "alguma coisa mais significativa" neste domínio aconteça no próximo Conselho no final do ano.

"Não tenho, porém, a certeza de que serão passos grandes. Se viermos a assistir a mais um movimento de incremento de políticas, não será suficiente. Precisamos de um salto significativo", defende.

"Até agora tivemos cooperação de forças, precisamos de uma integração de forças, o que é uma coisa completamente diferente. Mas ainda não tenho a certeza de que seja isso que os Estados-membros querem. A Comissão Europeia está a dar uma ajuda, porque colocou dinheiro em cima da mesa destinado à defesa europeia. Serão mil milhões de euros anuais para financiar projetos conjuntos, que sirvam o interesse coletivo da União. É mais um dado novo, vamos ver", diz.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.