Órgãos sociais do Vitória de Setúbal discordam de modelo de auditoria

Os órgãos sociais do Vitória de Setúbal não chegaram hoje a acordo sobre o modelo de auditoria a implementar para dar seguimento à decisão aprovada pelos sócios do clube da I Liga de futebol na assembleia-geral.

Após a reunião em que estiveram presentes os representantes dos quatro órgãos sociais - Direção, Assembleia-Geral, Conselho Fiscal e Disciplinar e Conselho Vitoriano -, a proposta apresentada pela comissão de acompanhamento não gerou consenso entre os presentes, revelou Paulo Oliveira, presidente do Conselho Vitoriano.

"É uma matéria muito complicada, extensa e densa, por isso, vamos ter de voltar a reunir, porque não chegámos a consenso sobre o modelo de auditoria. A comissão apresentou um projeto e houve pessoas que concordaram e outras que discordaram", disse à saída da reunião.

Paulo Oliveira explicou que em data a anunciar realizar-se-á nova reunião, lembrando que a decisão da auditoria foi aprovada na reunião magna do clube, em 28 de novembro de 2018.

"Lembro que a realização da auditoria foi aprovada pelos sócios. Vai-se agora decidir qual o modelo mais económico e que seja menos prejudicial ao clube. Depois de definidos os moldes da auditoria, será agendada uma assembleia para os sócios se inteirarem da decisão", referiu.

No encontro, que teve lugar na sala de reuniões do Estádio do Bonfim, esteve presente o presidente da Direção do Vitória de Setúbal, Vítor Hugo Valente, que remeteu as conclusões para o líder do Conselho Vitoriano.

A comissão de acompanhamento da auditoria é composta por dois membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, entre eles o presidente Paulo Mateus, e por três sócios nomeados para o efeito.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.