Organização espanhola quer suspender entrada na UE de citrinos da África do Sul

Uma organização agrária espanhola propõe que a União Europeia (UE) suspenda a importação de citrinos da África do Sul porque este país utiliza no cultivo produtos proibidos na UE.

A organização "Unió de Llauradors", segundo a informação disponibilizada no seu 'site', concluiu num primeiro estudo que mais de 50 matérias ativas de produtos fitosanitários proibidos na UE são autorizados na produção de citrinos na África do Sul, o maior importador extracomunitário destas frutas.

Entre eles está o 'paraquat', que segundo a organização é um herbicida que, em determinadas doses, afeta o trato gastrointestinal, os rins, fígado, coração e outros órgãos.

"Também se encontram [autorizados na África do Sul] o 'metil azinfos', proibido pela Agência de Proteção Ambiental desde 2004 e pela União Europeia desde 2006. Este inseticida é altamente tóxico para anfíbios, peixes, mamíferos, crustáceos e moluscos", escreve a organização.

Para a organização agrária espanhola, a União Europeia deve suspender a importação de citrinos da África do Sul - e de qualquer outro país que não cumpra as regras de segurança alimentar - até que este país restrinja o uso de tais substâncias.

A "Unió de Llauradors" diz que continuará a realizar estudos a todos os acordos comerciais assinados pela UE com países terceiros para garantir que estes não utilizem produtos fitossanitários proibidos na UE, uma vez que põem em risco a segurança alimentar.

O uso desses produtos, "além de representar um risco possível para os consumidores, tem um risco elevado para os responsáveis pela sua aplicação e para o ambiente. Por outro lado, também permite que os agricultores sul-africanos produzam frutas cítricas com custos de cultivo mais baixos do que os agricultores europeus", escreve a organização.

A organização profissional agrária espanhola pretende agora fazer chegar os resultados do estudo à Agência Espanhola de Defesa do Consumidor, Segurança Alimentar e Nutricional, bem como às instituições europeias, designadamente à Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar (EFSA).

Segundo a Direção Regional de Agricultura e Pescas de Lisboa e Vale do Tejo, em 2017 foram importadas num total de 25.877 toneladas de frutos de citrinos de países terceiros, designadamente da África do Sul, Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Peru, Uruguai e Zimbabué, sendo que mais de metade da quantidade importada é originária da África do Sul.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.