Orçamento Participativo de Lisboa terá votação presencial

A Câmara de Lisboa abriu hoje um espaço dedicado à participação dos munícipes, onde poderão votar presencialmente no Orçamento Participativo, defender e debater projetos a concurso.

"Nada substitui podermos ter um espaço, tomarmos contacto com os projetos e podermos votar também de forma acompanhada, e isso vai incluir muito mais pessoas. A cidade de Lisboa tem uma percentagem grande de população idosa que progressivamente está a aderir às novas tecnologias, mas que não tem a mesma 'performance' do que gerações mais novas", disse à Lusa o vice-presidente da Câmara de Lisboa.

Na Loja Lisboa Participa, junto à praça do Município, foi hoje igualmente lançada uma aplicação sobre o orçamento da autarquia, em que se pode conhecer as opções do documento através de uma linguagem simples e também simular a conceção de um orçamento, fazendo opções de aumento de receita, agravando taxas ou impostos, diminuir o investimento ou alocar mais recursos a uma atividade e menos a outra.

"Sentimos há muito a necessidade de transformar esse documento em algo mais simples, com uma linguagem simples, que permita às pessoas conhecerem o orçamento e experienciarem a sua forma de construção, as possibilidades de alteração e as suas consequências", afirmou João Paulo Saraiva (Cidadãos por Lisboa, eleito pelo PS).

Relativamente ao Orçamento Participativo, além da votação presencial na Loja Lisboa Participa, onde os cidadãos serão assistidos, se assim o necessitarem, por funcionários da autarquia, vai ainda existir um posto móvel e iniciativas das juntas de freguesia.

A 11.ª edição do Orçamento Participativo de Lisboa tem 122 projetos em fase votação, período que decorre até 28 de abril, podendo cada munícipe votar em dois projetos da lista final, um estruturante e outro de caráter local.

Os interessados podem votar 'on-line', através do 'site' www.lisboaparticipa.pt, ou por mensagem grátis, marcando 4310 e o número do projeto escolhido, se estiverem dentro do território nacional, ou o 00351927904200, se ligarem de fora do país.

A edição deste ano conta com duas novidades principais: os projetos ligados à sustentabilidade ambiental passam a ser acompanhados de um selo verde e os jovens a partir dos 16 anos passaram a poder participar.

Nesta edição está previsto um valor global de 2,5 milhões de euros, igual ao do ano passado, sendo um milhão destinado ao "conjunto dos projetos transversais, projetos de âmbito transversal a toda a cidade", cujos valores unitários não poderão "ultrapassar os 300 mil euros", e 1,5 milhões de euros para os "projetos locais".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.