Open da Austrália: Nadal segue para a final e João Sousa despede-se nas 'meias' de pares

O tenista espanhol Rafael Nadal assegurou hoje a presença na final do Open da Austrália, primeiro 'major' da temporada, ao eliminar o grego Stefanos Tsitsipas, num dia em que João Sousa também saiu derrotado, nas meias-finais de pares.

O português, de 29 anos, e o parceiro, o argentino Leonardo Mayer despediram-se da competição, ao cederem diante do finlandês Henri Kontinen e do australiano John Peers, 12.ºs cabeças de série, por 6-1 e 7-6 (8-6), em cerca de uma hora e 30 minutos.

"Eles foram merecedores da vitória. Hoje jogaram melhor que nós, que não estivemos tão bem como nas rondas anteriores, mas também há mérito da dupla adversária, que é muito forte. Eles estão habituados a jogar juntos, tal como nós, mas são especialistas de pares. Fizeram um excelente encontro. No segundo 'set' ainda tivemos algumas oportunidades para virar, mas não conseguimos e eles acabaram por fechar", afirmou o minhoto, defendendo ter vivido "duas semanas muito positivas" em Melbourne Park.

Apesar da derrota, Sousa, que tinha sido eliminado na terceira ronda de singulares pelo japonês Kei Nishikori, despede-se da Austrália com um 'prize money' total de cerca de 200 mil euros (135 mil de singulares e perto de 70 mil em pares) e na 32.ª posição do ranking ATP de pares e 39.º em singulares.

Na competição individual, o número dois mundial, Rafael Nadal, voltou a somar mais uma vitória e sem ceder novamente qualquer 'set', desta vez frente ao grego Stefanos Tsitsipas, pelos parciais de 6-2, 6-4 e 6-0, em apenas uma hora e 48 minutos.

Tsitsipas (15.º ATP), que tinha eliminado os suíço Roger Federer nos oitavos de final, salvando 12 'break points', não conseguiu nas meias-finais concretizar nenhum ponto de 'break' perante o espanhol, que, com um jogo agressivo e cedendo apenas 12 pontos no seu serviço, garantiu o regresso à final dois anos depois.

Enquanto o jovem helénico, de 20 anos, saiu de Melbourne Park após a estreia em meias-finais do Grand Slam, Nadal vai lutar no próximo domingo pelo segundo título no Open da Austrália, depois do triunfo em 2009, e 18.º troféu da carreira em Majors.

Entre as senhoras, Petra Kvitova e Naomi Osaka marcaram hoje encontro para a final do 'major' da Ásia Pacífico, que decidirá também quem será a nova líder do ranking WTA. A vencedora será número um e a finalista ocupará a segunda posição da classificação mundial.

A disputar a meia-final frente à norte-americana Danielle Collins, a checa Kvitova conseguiu recuperar de um 'break' no primeiro 'set' para assegurar, pela primeira vez na carreira, a qualificação para a final do Open da Austrália, por 7-6 (7-2) e 6-0, num encontro arbitrado pelo português Carlos Ramos.

"Isto significa tudo. Sei o quão difícil é chegar aqui e finalmente estou de volta", rejubilou a esquerdina, que em dezembro de 2016 foi esfaqueada na mão esquerda, durante um assalto à sua casa, tendo sido submetida a uma cirurgia de reconstrução, falhando parte da época seguinte.

A bicampeã de Wimbledon garantiu uma vaga na final diante a japonesa Naomi Osaka, que precisou de três partidas e quase duas horas para eliminar, graças a 15 ases e 56 'winners', a checa Karolina Pliskova, pelos parciais de 6-2, 4-6 e 6-4.

Depois da vitória no US Open, em setembro de 2018, esta será a segunda final consecutiva da jovem nipónica, de 21 anos, em torneios do Grand Slam.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.