Open da Austrália: João Sousa viveu "duas semanas muito positivas"

O português João Sousa despediu-se hoje do Open da Austrália em ténis, ao perder nas meias-finais de pares, ao lado do argentino Leonardo Mayer, mas diz ter vivido "duas semanas muito positivas" em Melbourne Park.

"Não estou feliz porque perdemos hoje, mas penso que temos que estar contentes com estas semanas, que foram muito positivas tanto a nível individual como de pares", afirmou aquele que se tornou o primeiro português a disputar as meias-finais de um torneio do Grand Slam, em seniores, ainda que na variante de pares.

João Sousa e Leonardo Mayer foram travados pelo finlandês Henri Kontinen e o australiano John Peers, 12.ºs cabeças de série, por 6-1 e 7-6 (8-6), mesmo depois de terem recuperado de 3-5 para 6-5 no segundo 'set'.

"Eles foram merecedores da vitória. Hoje, jogaram melhor que nós, que não estivemos tão bem como nas rondas anteriores, mas também há mérito da dupla adversária, que é muito forte. Eles estão habituados a jogar juntos, tal como nós, mas são especialistas de pares. Fizeram um excelente encontro. No segundo 'set' ainda tivemos algumas oportunidades para virar, mas não conseguimos e eles acabaram por fechar", explicou.

Apesar da derrota, João Sousa, que tinha sido eliminado na terceira ronda de singulares pelo japonês Kei Nishikori, despede-se de Melbourne Park com um 'prize money' total de cerca de 200 mil euros (135 mil de singulares e perto de 70 mil em pares) e na 32.ª posição do 'ranking' ATP de pares e 39.º em singulares.

Concluída a participação no primeiro 'major' da temporada, o minhoto segue para o Cazaquistão, onde vai representar Portugal na Taça Davis, viajando depois para Buenos Aires, Rio de Janeiro e São Paulo para fazer três semanas em terra batida, antes de Indian Wells e Miami.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.