Open da Austrália: João Sousa demonstra como o "trabalho duro compensa"

João Sousa assumiu hoje sentir-se recompensado pelo "trabalho duro" efetuado, depois de se ter tornado o primeiro tenista português a apurar-se para as meias-finais de um torneio do Grand Slam, na categoria de pares do Open da Austrália.

"Jogar os quartos de final de um Grand Slam é um grande prazer, especialmente num 'court' como este [Margaret Court Arena]. Jogámos um grande encontro e estamos muito contentes por passar às meias-finais. Servimos muito bem, respondemos bem e estamos muito contentes com o nível jogado durante toda a semana", destacou o vimaranense, de 29 anos, após a vitória por 6-4 e 7-6 (8-6), em cerca de uma hora e 30 minutos.

Depois de eliminar o neozelandês Michael Venus e o sul-africano Raven Klaasen, sextos cabeças de série e finalistas de Wimbledon em 2018, João Sousa, que fez dupla com o argentino Leonardo Mayer, revelou sentir que "o trabalho duro compensa".

Apurados para as meias-finais, Sousa e Mayer vão agora discutir a passagem à final com os vencedores do encontro entre os pares Jamie Murray/Bruno Soares, terceiros cabeças de série, e Henri Kontinen/John Peers.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.