Open da Austrália: A experiência e consciência de João Sousa na estreia de Pedro Sousa

O tenista português João Sousa vai ter, pela primeira vez, a companhia de Pedro Sousa no quadro principal do Open da Austrália, primeiro torneio do 'Grand Slam' da época, que terá lugar em Melbourne Park.

O vimaranense, 44.º colocado do 'ranking' ATP, tem, nas seis participações anteriores, como melhor registo a terceira ronda, alcançada em 2015 e 2016, enquanto o lisboeta, 103.º classificado ATP, fará, aos 30 anos, a sua estreia no quadro principal de um 'major' frente a um jovem de 19 anos, Alex di Minaur, jogador revelação de 2018.

Atendendo à experiência no 'Grand Slam' (23 quadros principais), no circuito ATP e em torneios disputados nos Antípodas, João Sousa diz não ter feito uma "preparação específica para o Open da Austrália", embora "venha de uma pré-temporada muito exigente a nível físico" e do ATP 250 de Auckland, onde passou a primeira ronda em singulares e atingiu os quartos de final em pares, ao lado de Guido Pella, que defrontará na ronda inaugural em Melbourne Park.

"Os torneios do 'Grand Slam' requerem uma preparação física um bocadinho acima do habitual e, nesse capítulo, acredito que estou bem preparado para o primeiro 'major' da época", assegura o número um português, apontando como "maiores dificuldades as condições atmosféricas e dos 'courts'".

Mesmo assegurando que o fuso horário, no seu caso, "não fará diferença", por chegar à Austrália oriundo da Nova Zelândia, defende a necessidade de "adaptação rápida ao calor e aos 'courts' para jogar a um bom nível" e, se assim for, poderá "fazer bons resultados".

"As minhas expectativas são sempre altas. Todos os jogadores gostam de jogar bem nos torneios do 'Grand Slam', mas o meu objetivo principal é conseguir jogar a um nível muito alto e tentar vencer o máximo de encontros possível", frisa João Sousa.

Além de reconhecer que Guido Pella não representará uma surpresa, por se conhecerem bem, o minhoto espera "um encontro difícil, em condições difíceis", e diz não sentir os níveis de confiança excecionalmente altos, depois de ter alcançado os oitavos de final na última edição do US Open.

"Poderia existir alguma confiança depois de ter passado essa barreira, porque queremos sempre mais, mas sou consciente do difícil que é um torneio do 'Grand Slam'. Vou pensar encontro a encontro, tentar jogar bem e no final fazem-se contas", rematou.

Já Pedro Sousa, além da estreia em quadros principais de torneios do 'Grand Slam', será recebido pelo anfitrião e número um australiano, Alex di Minaur, um adversário que nunca defrontou.

"É um torneio onde estão os melhores do mundo, não há jogadores fáceis aqui. Já estava à espera de um encontro difícil fosse com quem fosse e calhou-me o Di Minaur. Nem posso dizer que seja um jovem que promete muito, pois ele já é uma certeza e certamente que ainda vai subir mais no 'ranking'", defendeu o número dois nacional, referindo-se ao 29.º classificado da hierarquia ATP.

Embora esteja consciente das dificuldades da estreia em Melbourne Park, onde vai "dar o melhor frente ao número um australiano", Pedro Sousa confidencia já estar "ansioso por entrar em 'court', competir e ver o que acontece".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.