OPA/EDP: Oferta dos chineses cai quase um ano depois com chumbo dos acionistas

Lisboa, 24 abr 2019 (Lusa) - Os acionistas da EDP chumbaram hoje a alteração dos estatutos para acabar com a limitação dos direitos de voto a 25% do capital, pondo fim à oferta pública de aquisição (OPA) da China Three Gorges (CTG) quase um ano depois.

A proposta de desblindagem dos estatutos, que prevê acabar com a limitação dos direitos de voto a 25% do capital, foi chumbada com 56,60% do capital representado.

A introdução deste ponto na assembleia anual de acionistas foi proposta pelo fundo Elliott, que contestava a oferta sobre a EDP, e previa que, "caso a deliberação não obtenha uma maioria qualificada de dois terços dos acionistas presentes na assembleia-geral anual [...], o limite de voto permanecerá em vigor".

"Tal resultado deve não só permitir o fim imediato da oferta na sua forma atual, como também proporcionar à sociedade a certeza necessária para planear o futuro", sublinha o fundo na proposta de adenda que foi aceite pelo vice-presidente da mesa da assembleia-geral, Rui Medeiros, em 01 de abril.

Entretanto, na segunda-feira, a CTG esclareceu que se mantêm em vigor todas as condições da OPA, incluindo a desblindagem de estatutos, pelo que assim a operação não avança.

A OPA feita à EDP pela CTG, empresa estatal chinesa que já detém 23,27% da elétrica portuguesa, foi anunciada em maio de 2018 e prevê uma contrapartida de 3,26 euros por ação.

Na conferência de imprensa, no final da reunião de acionistas, o presidente da EDP, António Mexia, recusou comentar as votações relativas ao ponto que travou a oferta da CTG, realçando que "o voto é secreto".

"Acho que era claro quem era a favor da desblindagem [dos estatutos]. O voto é secreto", declarou, adiantando que "quem queria defender a sua posição defendeu e os resultados são claros", uma vez que a proposta precisava de ter 66% dos votos a favor.

António Mexia revelou que, "ao contrário do habitual", hoje não exerceu o direito de voto como acionista, por considerar "que devia ser assim".

Em junho passado, um mês depois do anúncio da intenção de lançar uma OPA, o Conselho de Administração Executivo da EDP, liderado por António Mexia, considerou que o preço oferecido pela CTG - de 3,26 euros por ação - não refletia adequadamente o valor da EDP e que o prémio implícito na oferta era baixo, considerando a prática pelas empresas europeias do setor.

O relatório então enviado ao mercado dizia que "o prémio implícito no preço oferecido encontra-se significativamente abaixo do que é a prática em transações em dinheiro no setor europeu das 'utilities', no mercado ibérico e mais genericamente no mercado europeu, em casos em que o oferente adquire controlo".

"Uma vez que a oferta se encontra condicionada à aquisição de controlo sobre a EDP (condição de eficácia correspondente à aquisição de 50% + 1 direito de voto), deveria incorporar um prémio de alteração de controlo em linha com as transações precedentes acima referidas", defendia então o Conselho Executivo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.