ONU retira pessoal internacional de Hodeida - responsáveis do Iémen

Responsáveis do Iémen disseram hoje que as Nações Unidas retiraram o seu pessoal internacional de Hodeida, no Mar Vermelho, quando se espera um assalto das forças governamentais para capturar a cidade portuária.

Segundo as mesmas fontes, que não quiseram ser identificadas, o centro de operações da ONU na cidade está a ser gerido por pessoal local.

As forças governamentais, apoiadas pela coligação internacional dirigida pela Arábia Saudita, têm tentado tomar Hodeida, porto estratégico através do qual a maioria da população do Iémen recebe alimentos e medicamentos e controlado pelos rebeldes Huthis.

Cerca de 600.000 pessoas vivem em Hodeida e o Conselho de Segurança da ONU reuniu-se na segunda-feira à porta fechada para tentar impedir um ataque, que segundo o Reino Unido estará iminente, com as forças governamentais a dez quilómetros da cidade portuária.

Segundo a ONU, o seu mediador para o Iémen, o britânico Martin Griffiths, está envolvido em "intensas negociações" com os Huthis, apoiados pelo Irão, mas também com a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que apoiam as forças lealistas iemenitas, para "evitar uma batalha feroz e sangrenta em Hodeida".

"Uma batalha por Hodeida será certamente longa e deixará milhões de iemenitas sem alimentos, combustível e outros fornecimentos vitais", advertiu o grupo de reflexão sobre conflitos International Crisis Group (ICG).

Os Estados Unidos "não deviam dar luz verde a uma ofensiva sobre Hodeida" e deviam antes "pressionar os Emirados Árabes Unidos a parar a movimentação dos homens sob o seu controlo" para evitar que o conflito entre numa "nova fase mais devastadora", sublinhou o ICG.

Em 2015, a Arábia Saudita fomentou uma coligação militar para auxiliar o Presidente iemenita, Abd Rabbo Mansour Hadi, reconhecido internacionalmente, face aos rebeldes xiitas Huthis que controlam vastas regiões do país, incluindo a capital Sanaa.

O conflito já provocou cerca de 11.000 mortos e ainda "a pior crise humanitária do mundo", segundo a ONU, com certas regiões do Iémen à beira da fome generalizada.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.