ONU na Guiné-Bissau felicita parlamento por aprovação da Lei da Paridade

A representação das Nações Unidas na Guiné-Bissau saudaram hoje a nova lei da paridade aprovada no país, considerando-a como uma forma mais justa de aumentar a representatividade das mulheres na política guineense.

A posição surge numa carta, envida à imprensa, por aquela representação, a propósito da aprovação pela Assembleia Nacional Popular da lei que aumenta a representação de mulheres no parlamento do país.

"É com grande satisfação pessoal e profissional que nós, as Nações Unidas na Guiné-Bissau, testemunhamos a aprovação pela Assembleia Nacional da Lei de Paridade, legislação que permitirá às mulheres da Guiné-Bissau obter uma representação mais justa na política", pode ler-se na carta.

Na carta, a ONU recorda a lei aprovada é o "resultado de um trabalho árduo dos guineenses que começou com a Declaração de Canchungo", a defender a promoção e igualdade do género.

"Todos os guineenses, homens e mulheres, devem sentir-se orgulhosos por o seu país estar entre os cinco primeiros países da sub-região a dar um passo significativo no sentido de garantir uma maior igualdade de género na participação política e na tomada de decisão nacional. Continuando com esta tendência, a Guiné-Bissau poderá em breve juntar-se aos dez principais países africanos com o maior número de mulheres no parlamento", salienta a carta da ONU.

O parlamento guineense aprovou no início de agosto uma lei que fixa uma quota mínima de 36% de mulheres nas listas de candidaturas para cargos eletivos.

As mulheres na Guiné-Bissau representam 52% do total da população (cerca de 1,7 milhões de habitantes).

A lei ainda não foi enviada para a Presidência da República, mas a expectativa da deputada Susi Barbosa, que preside à rede das mulheres parlamentares do país, é que seja promulgada pelo chefe de Estado ainda antes das eleições legislativas, previstas para 18 de novembro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.