Oitava morte em centros de detenção de imigrantes nos Estados Unidos desde outubro

Com a morte de um imigrante de origem mexicana no Centro de Detenção de Stewart, em Lumpkin (Geórgia), sobe para oito o número de óbitos entre pessoas sob custódia do Serviço Imigração e Fronteiras (ICE) nos Estados Unidos.

O número de mortes desde outubro de 2017, quando começou o ano fiscal, já vai em oito, informou esta agência federal.

Efraín De La Rosa, de 40 anos, foi declarado morto na noite de quinta-feira num hospital na Georgia, para onde foi transferido após ser encontrado inconsciente na sua cela, de acordo com um comunicado da ICE divulgado hoje.

As autoridades apontam para o estrangulamento autoinfligido como causa preliminar da morte do imigrante, embora ainda estejam investigando o acontecimento.

De La Rosa estava sob custódia do ICE desde 11 de março, depois de ser preso no Condado de Wake, Carolina do Norte, sob a acusação de roubo.

Representantes de organizações de defesa de imigrantes lamentaram a morte de De La Rosa e exigiram o encerramento do centro de detenção de imigrantes.

"Essa horrível tragédia marca a terceira morte em Stewart em menos de 15 meses. Quantas pessoas mais têm que morrer antes que o governo feche este lugar horrível?", questionou Azadeh Shahshahani, diretor jurídico da organização do Project South.

A Project South publicou este ano um relatório denunciando alegados abusos e violações dos direitos humanos que ocorrem nos centros de detenção de imigrantes da Geórgia, em Stewart e Irwin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.