OE2019: "Um dia de greve será pouco" se só houver aumentos nos salários baixos - FESAP

O líder da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, avisou hoje que "um dia de greve será pouco" caso o Governo avance com aumentos salariais "ridículos" em 2019 e apenas para as remunerações mais baixas.

"Se o Governo avançar com um valor simbólico, ridículo, e só para os salários mais baixos, seguramente que um dia de greve será pouco, porque já estamos fartos de andar a perder", disse José Abraão em declarações à Lusa, acrescentando que o aumento "tem de ser para todos".

O líder da FESAP reagia assim a declarações do líder parlamentar do PS, Carlos César que, na semana passada, admitiu a possibilidade de haver no próximo ano "um aumento da remuneração base, pelo menos até a um determinado nível salarial".

O tema está a ser negociado entre o Governo e os parceiros da maioria parlamentar -- BE, PCP e PEV -, no âmbito do próximo Orçamento do Estado (OE2019) e há vários cenários em cima da mesa. Segundo afirmou o ministro das Finanças, Mário Centeno, na sexta-feira, no final da Concertação Social, nada está por enquanto fechado.

Para José Abraão, a discussão deve fazer-se "no Ministério das Finanças, com os sindicatos" e não no parlamento, acusando a líder do BE, Catarina Martins, de estar a "condicionar" a negociação ao ter defendido, no domingo, em entrevista à TSF/DN um aumento fixo, beneficiando os salários mais baixos.

A próxima ronda negocial entre o Ministério das Finanças e as três estruturas sindicais da administração pública -- FESAP, Sindicato dos Quadros Técnicos (STE) e Frente Comum -- está marcada para quinta-feira à tarde.

A proposta do Governo sobre o OE2019 tem de ser entregue no parlamento até dia 15.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.