OE2019: "Um dia de greve será pouco" se só houver aumentos nos salários baixos - FESAP

O líder da Federação de Sindicatos da Administração Pública (FESAP), José Abraão, avisou hoje que "um dia de greve será pouco" caso o Governo avance com aumentos salariais "ridículos" em 2019 e apenas para as remunerações mais baixas.

"Se o Governo avançar com um valor simbólico, ridículo, e só para os salários mais baixos, seguramente que um dia de greve será pouco, porque já estamos fartos de andar a perder", disse José Abraão em declarações à Lusa, acrescentando que o aumento "tem de ser para todos".

O líder da FESAP reagia assim a declarações do líder parlamentar do PS, Carlos César que, na semana passada, admitiu a possibilidade de haver no próximo ano "um aumento da remuneração base, pelo menos até a um determinado nível salarial".

O tema está a ser negociado entre o Governo e os parceiros da maioria parlamentar -- BE, PCP e PEV -, no âmbito do próximo Orçamento do Estado (OE2019) e há vários cenários em cima da mesa. Segundo afirmou o ministro das Finanças, Mário Centeno, na sexta-feira, no final da Concertação Social, nada está por enquanto fechado.

Para José Abraão, a discussão deve fazer-se "no Ministério das Finanças, com os sindicatos" e não no parlamento, acusando a líder do BE, Catarina Martins, de estar a "condicionar" a negociação ao ter defendido, no domingo, em entrevista à TSF/DN um aumento fixo, beneficiando os salários mais baixos.

A próxima ronda negocial entre o Ministério das Finanças e as três estruturas sindicais da administração pública -- FESAP, Sindicato dos Quadros Técnicos (STE) e Frente Comum -- está marcada para quinta-feira à tarde.

A proposta do Governo sobre o OE2019 tem de ser entregue no parlamento até dia 15.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.