Obrador e Trump discutem redução da migração na fronteira entre México e EUA

O presidente eleito do México, Andrés Manuel Lopez Obrador, propôs ao presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, um plano para criação de empregos naquele país, "reduzir a migração" e "melhorar a segurança" na fronteira.

"Recebi um telefonema de Donald Trump, conversámos por meia hora e sugeri que ele considerasse um acordo global: projetos de desenvolvimento que criam empregos no México e, ao mesmo tempo, reduzir a migração e melhorar a segurança ", escreveu o novo Presidente mexicano na rede social Twitter.

Trump afirmara pouco antes que tinha tido uma "boa conversa" com Lopez Obrador, prevendo um "bom relacionamento" no futuro.

"Acho que ele nos vai tentar ajudar na fronteira", acrescentou.

Obrador, de 64 anos, obteve uma vitória histórica do domingo nas eleições presidenciais mexicanas, ao garantir mais de 52,9% dos votos.

"Há muito a fazer pelo bem dos Estados Unidos e do México!", publicou Donald Trump, também no Twitter, após o anúncio da vitória histórica de Lopez Obrador, que assegurou mais tarde que queria uma relação de "amizade e cooperação" com os Estados Unidos.

O presidente norte-americano acusou repetidamente o México de "não fazer nada" para impedir que imigrantes centro-americanos chegassem à fronteira com os Estados Unidos, e prometeu construir um muro para impedir a imigração ilegal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.