Óbito/Rui Alarcão: João Gabriel Silva lembra reitor que "marcou uma época" em Coimbra

O reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, lamentou hoje o desaparecimento do ex-reitor Rui Alarcão, dizendo que "marcou uma época" em Coimbra e louvando o seu papel na expansão e internacionalização da universidade.

"O reitor Rui Alarcão marcou uma época da Universidade de Coimbra (UC). Deu estabilidade à Universidade durante o seu longo mandato de 1982 até 1998, guiando-a durante um período de grande expansão do número de estudantes, professores e cursos", escreveu João Gabriel Silva, numa declaração enviada à Lusa.

O ex-reitor da Universidade de Coimbra morreu esta madrugada, aos 88 anos, no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, onde se encontrava internado.

Nascido em 1930, o professor universitário de Direito foi reitor da Universidade de Coimbra entre os anos de 1982 e 1998, para além de membro da Comissão Constitucional e membro do Conselho de Estado.

"A ele [Rui Alarcão] se devem, entre muitas outras iniciativas, a construção do polo II, o início do polo III, e uma forte expansão dos serviços de ação social", refere João Gabriel Silva, acrescentando que o ex-reitor "teve ainda a visão de iniciar a internacionalização da UC, algo que é agora determinante para a sua afirmação como Universidade Global".

Para o atual reitor, Alarcão "foi decisivo na configuração e concretização da autonomia universitária, mantendo sempre um grande sentido de universidade, e uma grande crença na Escola de Coimbra".

João Gabriel Silva define ainda o ex-reitor como "uma pessoa com um trato pessoal de inquebrantável gentileza", dizendo que vai fazer falta.

"Ficamos mais sós para enfrentar os enormes desafios que se avizinham, sem o seu conselho sempre avisado", conclui.

O corpo do ex-reitor da Universidade de Coimbra estará em câmara ardente a partir das 10:00 de segunda-feira na Capela da Universidade de Coimbra, avançou a empresa encarregada do funeral.

Segundo a mesma fonte, as exéquias fúnebres terão início pelas 16:00 na Capela da Universidade, sendo depois o corpo encaminhado para o cemitério de Cernache (Coimbra).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.