Óbito/Maurílio de Gouveia: Antigo arcebispo de Évora morreu após doença prolongada - Bispo do Funchal

O arcebispo emérito de Évora, Maurílio de Gouveia, faleceu hoje cerca das 15:00, na freguesia de Gaula, no concelho de Santa Cruz, depois de uma doença prolongada, disse o bispo do Funchal.

Numa nota publicada na página da diocese do Funchal, Nuno Braz salientou que o sacerdote se encontrava no Eremitério de Maria Serena, na freguesia de Gaula, no concelho contíguo a leste do Funchal (Santa Cruz).

"O Senhor D. Maurílio de Gouveia faleceu na paz de Jesus", escreveu o prelado madeirense.

Também mencionou que teve "oportunidade de o visitar várias vezes durante a sua doença e receber o seu testemunho cristão de serenidade e entrega total nas mãos de Deus".

"Dizia num dos seus últimos escritos, 'Rumo ao Céu': é uma atitude de lucidez e de esperança", escreveu o bispo do Funchal na nota de pesar.

Nuno Braz também recordou que Maurílio de Gouveia foi ordenado sacerdote em 04 de junho de 1932 e bispo auxiliar de Lisboa (1974), tendo desempenhado a missão de arcebispo de Évora entre 1981 e 2007.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?