Óbito/Graça Dias: Um grande arquiteto com "incrivel capacidade" de pensar a cidade - Casa Arquitetura

O diretor executivo da Casa da Arquitetura enalteceu hoje o "grande arquiteto" que foi Manuel Graça Dias, mas também a sua "incrível capacidade" de pensar a cidade, considerando que todos os arquitetos lhe ficam a "dever muito".

Nuno Sampaio reagia assim à notícia da morte do arquiteto Manuel Graça Dias, que morreu no domingo à noite, num hospital de Lisboa, aos 66 anos.

"Para além de um grande arquiteto, que naturalmente o era, era uma pessoa com uma incrível capacidade de reflexão, de pensar a cidade, de pensar o exercício da profissão, sempre muito atento a qual o papel do arquiteto na sociedade, de melhoramento da qualidade de vida dos seus concidadãos, a cidade como espaço de todos, da vida de todos", afirmou.

Segundo Nuno Sampaio, Graça Dias tinha "esta grande capacidade de comunicar e punha essa reflexão e essa capacidade de comunicar ao serviço de todos".

"Preocupado com a arquitetura, com o exercício da profissão, que era algo que o preocupava muito, o aparecimento das novas escolas, as condições que os mais novos tinham para trabalhar, e de uma militância, por assim dizer, muito expressa na forma como respondia aos apelos que lhe faziam e outras iniciativas que ele próprio tomava para defesa da profissão e exercício da profissã, em beneficio da cidade e em beneficio dos seus concidadãos", acrescentou.

Além desta capacidade que o arquiteto tinha de olhar para a cidade, Nuno Sampaio destacou ainda que mesmo os seus "textos não eram individuais, eram textos em entrevistas, onde andava de táxi, onde falava com outras pessoas sobre a cidade e a profissão, sobre a arquitetura".

Além desta transversalidade que caracterizava Manuel Graça Dias, o diretor da Casa da Arquitetura destacou também o "muito humor" que tinha, "a forma como fazia a sua crítica muito acutilante, mas com muito humor, que sempre bem dispunha as pessoas que trabalhavam com ele e que com ele conviviam".

"Todos nós, arquitetos, lhe ficamos a dever muito", afirmou, desabafando que Manuel Graça Dias "partiu cedo demais".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).