'Número dois' dos trabalhistas lidera manifestação contra austeridade em Londres

O 'numero dois' do Partido Trabalhista britânico, John McDonnell, liderou hoje uma manifestação em Londres contra as medidas de austeridade do Governo conservador de Theresa May, com muitos manifestantes a envergarem coletes amarelos em solidariedade com os franceses.

No final do desfile, em Trafalgar Square, McDonnell leu perante a multidão uma mensagem do líder trabalhista, Jeremy Corbyn, na qual pediu eleições antecipadas para criar uma "sociedade mais justa e igualitária".

Corbyn disse que o seu partido "está preparado para assumir o poder" se o executivo 'tory' da primeira-ministra Theresa May perder na próxima terça-feira a votação relativa ao acordo de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

Se o acordo for chumbado, os trabalhistas -- primeira força de oposição na Câmara dos Comuns -- pretendem lançar uma moção de censura, uma vez que acreditam ter o apoio necessário para que ela passe, levando à demissão do Governo e a eleições antecipadas.

Milhares de pessoas de diversas idades e proveniências, entre as quais sindicalistas e pessoas vindas de França, participaram na marcha no centro londrino, organizada pelo grupo contra a austeridade Assembleia do Povo.

A porta-voz deste grupo, Romana McCartney, disse que a manifestação com coletes amarelos pretende "retomar o espaço político monopolizado pelo 'brexi' e expressar solidariedade com a esquerda e com a classe trabalhadora francesa".

Entre os participantes estiveram Laurie Martin, de 26 anos, e Erick Simon, de 57, ambos da Normandia, em França, que se solidarizaram com os britânicos porque, explicou Martin, as suas exigências são as mesmas que as de todos os que lutam contra a austeridade na Europa.

"Todos os países europeus deveriam unir-se nesta batalha contra a austeridade", apontou Simon.

Nos últimos dias houve também pequenas manifestações nas imediações do parlamento britânico por parte de elementos da extrema-direita que, em alguns casos, levavam, também eles, coletes amarelos.

A polícia de Londres aumentou a segurança na zona depois de alguns deles ameaçarem políticos e jornalistas, no decurso de um aumento de tensão devido ao 'brexit'.

A Scotland Yard adiantou hoje que que deteve um dos presumíveis instigadores, James Goddard, que enfrenta uma possível acusação por perturbação da ordem pública por ter chamado 'nazi' à deputada conservadora Anna Soubry, depois de esta ter manifestado a um segundo referendo relativamente à permanência do Reino Unido na União Europeia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.