Número de mortos em incêndio no México sobe para 66

O número de mortos num incêndio de grandes dimensões num oleoduto no México subiu de 20 para 66, informou o governo do estado central de Hidalgo.

Uma explosão num oleoduto da empresa estatal Petróleos Mexicanos (Pemex)provocou um incêndio de grandes dimensões na sexta-feira, segundo o governo local.

Pelo menos 76 pessoas ficaram feridas no incêndio.

Entre as vítimas, há dois adolescentes de 15 anos e uma criança de dois anos, segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

O acidente ocorreu no final da tarde de sexta-feira, no município de Tlahuelilpan, quando dezenas de pessoas aproveitavam um derrame no local para transportar o combustível em baldes.

"Foi-nos comunicado este trágico acidente, em que há muitas pessoas queimadas, que estavam no local a tentar recolher combustível que escapou por um derrame", explicou o governador Omar Fayad, numa entrevista aos canais de televisão "Milenio" e "Foro TV".

Muitos dos feridos sofreram queimaduras graves e existe o temor que haja mais corpos carbonizados perto do oleoduto.

O autarca do município, Juan Pedro Cruz, disse aos jornalistas locais que o derrame teve início às 17:00 (horário local, 00:00 em Lisboa).

Militares do exército tentaram isolar a área, mas não conseguiram controlar as cerca de 200 pessoas que tinham invadido o local para apanhar o combustível.

Já de acordo com a agência Associated Press, o oleoduto terá explodido horas depois de um grupo ter invadido o local e perfurado ilegalmente uma torneira.

O Presidente mexicano, Andres Manuel Lopez Obrador, declarou uma ofensiva contra o roubo de combustível e convocou todos os setores do Governo para prestar assistência às vítimas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.