Novos estudos avançam para instalação de parque eólico em Moçambique

O projeto do Parque Eólico de Namaacha, no sul de Moçambique, vai avançar para a fase de levantamento topográfico e geotécnico, com vista a estudar a localização, anunciou hoje o Banco Africano de Desenvolvimento, cofinanciador do empreendimento.

"O projeto pretende investir na contratação de serviços técnicos", que vão verificar "as características topográficas e geotécnicas" do terreno para onde está prevista a instalação do parque eólico, lê-se no aviso do BAD para apresentação de propostas de consultoria.

O parque, com uma capacidade prevista de 120 MW, é uma iniciativa da Eleqtra, empresa presente em vários países e com experiência na área de energia na África subsaariana.

"Os estudos geotécnicos incluirão perfurações para determinar a composição do solo em locais prováveis para colocar turbinas, subestações e outros componentes importantes da infraestrutura", ao passo que os outros estudos devem abranger "o mapeamento de características topográficas e padrões de drenagem de águas pluviais".

O resultado final deverá ser um relatório com "detalhes suficientes" para futuros fornecedores do projeto, conclui o BAD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.