Novo comissário anticorrupção tomou posse no Parlamento Nacional timorense

O novo comissário da Comissão Anticorrupção (CAC) timorense, Sérgio Hornai, tomou hoje posse no Parlamento Nacional, momento no qual reiterou o compromisso de cumprir o seu mandato com "rigor e legalidade".Na cerimónia, o presidente do Parlamento destacou o importante papel da CAC no combate à corrupção em Timor-Leste, recordando que a instituição enfrenta ainda desafios significativos e necessidade de ver reforçados os seus serviços.Sérgio Hornai, por seu lado, prometeu um combate pleno à corrupção, comprometendo-se a cumprir as funções "com rigor e legalidade" para travar um problema que afeta o Estado e o país.Eleito na semana passada pelo Parlamento Nacional para o cargo, o novo Comissário disse à Lusa que a aprovação de uma lei anticorrupção em Timor-Leste "é indispensável", inserida numa estratégia de Estado para erradicar esta "doença", que continua a afetar a sociedade timorense.

Entre as prioridades, destacou a necessidade de "consolidar a instituição" com um processo de fortalecimento dos quadros e dos métodos de trabalho da CAC para "a médio prazo alcançar os seus objetivos".

"Temos que arrancar com vontade e seriedade. Esta instituição não trabalha sozinha, mas de forma integrada com o resto do Estado. Temos instrumentos internacionais e alguns nacionais, como o código penal, mas é preciso fortalecer o próprio serviço da CAC", afirmou.

Para Sérgio Hornai é "fulcral fortalecer a CAC e outras instituições com competências na área da (anticorrupção) e ainda aumentar o conhecimento nacional sobre o problema".

"Precisamos de educação, de uma campanha de sensibilização para que os cidadãos possam compreender bem que a corrupção é uma doença. Vamos trabalhar para sensibilizar todos", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.