Novo Banco vende seguradora GNB Vida à Bankers Insurance por 190 ME

O Novo Banco vendeu a totalidade do capital social da GNB -- Companhia de Seguros de Vida à norte-americana Bankers Insurance Holdings por 190 milhões de euros, continuando a distribuir estes seguros, anunciou o banco em comunicado.

O Novo Banco, S.A. informa que "celebrou com a Bankers Insurance Holdings, S.A. uma sociedade do grupo Global Bankers Insurance Group, LLC ("Global Bankers"), um contrato de compra e venda da totalidade do capital social da GNB -- Companhia de Seguros de Vida, S.A. ("GNB Vida"), por um montante total de 190 milhões de euros, (sujeito aos normais ajustamentos no fecho da transação) e acrescido de um montante variável em função da performance", refere em comunicado.

Na mesma nota enviada à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o Novo Banco informa que esta operação inclui ainda a celebração entre a instituição financeira e a GNB Vida de um contrato de distribuição de produtos de seguros vida em Portugal, por um período de 20 anos.

"A seleção da Global Bankers como comprador da nossa operação de seguros vida e como nosso parceiro na distribuição de seguros financeiros, foi feita através de um processo competitivo aberto e transparente. Com a entrada deste novo parceiro, asseguramos um aumento da capacidade seguradora e damos um passo decisivo no redesenho da oferta para os nossos clientes", afirma o presidente do Novo Banco, António Ramalho, numa nota de imprensa.

A concretização da operação de compra e venda da GNB Vida encontra-se dependente da verificação de diversas condições, incluindo a obtenção das autorizações regulatórias necessárias.

"A conclusão da transação nos termos ora acordados deverá ter um impacto neutro em resultados e um impacto positivo no rácio de capital Common Equity Tier 1 do Novo Banco [uma das medidas que avalia a solidez de um banco]", acrescenta no comunicado.

Tal como já tinha sido anunciado, esta transação, lembra a instituição, "representa mais um importante passo no processo de desinvestimento de ativos não estratégicos do Novo Banco", prosseguindo o banco a estratégia "de foco no negócio bancário".

Em 14 de agosto, foi anunciado que a GNB Seguros Vida (antiga BES Vida) registou lucros de 2,7 milhões de euros no primeiro semestre, menos 49,8% do que no período homólogo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.