Novo ataque de grupo armado no nordeste da RDCongo provoca seis mortos em Goma

Um ataque de um grupo armado perpetrado no início da noite de quarta-feira, em Goma, no nordeste da República Democrática do Congo (RDCongo), provocou a morte de seis pessoas, noticiou hoje o jornal congolês na internet Actualité.DC.

De acordo com o responsável pela organização não-governamental Sinergias para a luta anti-minas (Sylam), Marion Ngavo, citado pelo Actualité.DC, o ataque ocorreu "ontem [quarta-feira], perto das 19:00, quando pessoas armadas, umas envergando fardas militares e outras em trajes civis, irromperam no bairro de Ndosho".

Os atacantes "recuperaram várias pessoas e dispararam balas, provocando a morte a duas pessoas naquele local. Três outras pessoas foram encontradas mortas ao serem levadas para o Parque Virunga e um outro corpo foi encontrado no Nyiragongo", explicou.

O presidente da Câmara de Goma, Timothée Mwisa Kense, confirmou a morte de quatro pessoas, "três no bairro Ndosho e um corpo encontrado em Bukumu".

De acordo com fontes locais, uma dezena de pessoas foi raptada pelos atacantes e Ngavo admitiu que o número de mortos em consequência do ataque possa ser superior a seis.

"Segundo o chefe do bairro, 11 pessoas foram levadas, mas não sei algumas dessas pessoas estavam entre os raptados, a polícia vai determinar", disse.

Este ataque ocorreu menos de uma semana depois de oito pessoas terem sido assassinadas e os corpos terem sido abandonados no parque de Virunga, no oeste de Goma.

Nesta área, tem-se intensificado a atividade das Forças Democráticas para a Libertação do Ruanda (FDLR), que atravessam a fronteira para realizar ataques contra a população congolesa.

"Lamentamos esta insegurança que irrompeu a oeste da cidade. Há pouco tempo, em Mugunga, houve seis mortos. Infelizmente, esta violência aumentou depois das eleições [em dezembro do ano passado]. Pedimos ao Governo que se encarregue de zelar pela segurança das pessoas, assim como dos seus bens", disse Marion Ngavo.

No início da semana, o exército da RDCongo anunciou a sua intenção de apoiar a polícia naquela parte de Goma.

Exclusivos