Notre-Dame: Estrutura da catedral está salva - bombeiros

Paris, 15 abr 2019 (Lusa) -- A estrutura da catedral de Notre-Dame, de Paris, "está salva e preservada na sua globalidade", anunciaram hoje à noite os bombeiros.

"Podemos considerar que a estrutura de Notre-Dame está salva e preservada na sua globalidade", disse Jean-Claude Gallet, comandante da brigada de bombeiros sapadores de Paris.

Um incêndio na catedral de Notre-Dame de Paris deflagrou hoje cerca das 18:50 locais (17:50 em Portugal) e atingiu toda a estrutura do edifício, segundo o porta-voz do monumento, André Finot.

Cerca de uma hora depois de ter começado o incêndio, o pináculo de Notre-Dame desmoronou-se.

O ministro do Interior, Laurent Nunez, disse também que as autoridades estão muito mais otimistas do que estiveram no início da noite, embora com prudência.

"O fogo diminuiu de intensidade", afirmou.

Jean-Claude Gallet adiantou que o esforço de centenas de bombeiros permitiu impedir que as chamas chegassem ao campanário da torre norte.

O responsável da brigada de bombeiros sapadores de Paris afirmou que dois terços das coberturas da catedral "foram devastadas" e que um bombeiro ficou ferido.

Jean-Claude Gallet acrescentou que as equipas de bombeiros vão continuar a trabalhar a noite toda para arrefecer a estrutura.

Na sequência do incêndio, o Presidente francês, Emmanuel Macron, cancelou um discurso à nação centrado em medidas de revitalização económica.

Chefes de Estado e de Governo de vários países, incluindo Portugal, enviaram mensagens de pesar e de solidariedade às autoridades francesas, bem como o Vaticano e a Organização das Nações Unidas (ONU).

A catedral de Notre-Dame foi edificada em 1163 e iniciou a função religiosa em 1182, embora os trabalhos de construção tenham prosseguido até 1345.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.