Notre-Dame: Acidente na origem do incêndio - Procuradoria de Paris

Paris, 15 abr 2019 (Lusa) -- A Procuradoria de Paris anunciou que os investigadores estão a considerar o incêndio de hoje na catedral de Notre-Dame como um acidente, referindo que a polícia vai avançar com uma investigação por "destruição involuntária causada pelo fogo".

O gabinete da procuradoria referiu que excluiu a hipótese de fogo posto ou a possibilidade de um ataque terrorista como causas para o início do incêndio.

"A polícia de Paris vai realizar uma investigação por destruição involuntária causada pelo fogo", acrescentou.

O incêndio na catedral de Notre-Dame de Paris começou cerca das 18:50 locais (17:50 em Portugal).

Mais de seis horas depois, o comandante dos bombeiros sapadores de Paris, general Jean-Claude Gallet, anunciou que a estrutura da catedral estava "salva e preservada na sua globalidade", mas prosseguia o combate às chamas.

Os bombeiros disseram que o incêndio terá começado no sótão da catedral e admitiram que possa estar relacionado com trabalhos de reabilitação do edifício.

O pináculo de Notre-Dame desmoronou-se cerca de uma hora depois de o incêndio ter deflagrado.

A catedral de Notre-Dame foi edificada em 1163 e iniciou a função religiosa em 1182, embora os trabalhos de construção tenham prosseguido até 1345.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.