Negociador do Governo colombiano com ELN vê porta aberta à extensão do cessar-fogo

O principal negociador do Governo colombiano nos diálogos de paz com a guerrilha Exército de Libertação Nacional (ELN) afirmou que o cumprimento do cessar-fogo "abre a porta" para que seja prolongado após 09 de janeiro.

As avaliações que têm sido realizadas por diferentes instituições, como as Nações Unidas, mostram um "balanço muito satisfatório" dos três meses de vigência do cessar-fogo, afirmou Juan Camilo Restrepo, na quinta-feira, aos jornalistas, após reunir-se com o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos.

"Não se verificou nenhum incidente armado", realçou.

"Grande parte dos compromissos humanitários também foi cumprida satisfatoriamente", observou Juan Camilo Restrepo, que confirmou que vai deixar o cargo de chefe negociador do Governo, "por razões profissionais e familiares", em 08 de janeiro.

O negociador, que recordou que o cessar-fogo do ELN constitui o primeiro da guerrilha em 53 anos, indicou que os diálogos de paz, que decorrem desde fevereiro em Quito (Equador), "não se circunscreveram apenas ao tema do cessar-fogo", tendo-se também "começado a desenvolver a agenda" das negociações.

A trégua, que foi acordada a 04 de setembro para pôr fim ao mais antigo conflito no continente, dura até ao próximo dia 09 de janeiro, mas pode ser prolongada.

Após o acordo assinado com a antiga guerrilha Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), em novembro de 2016, o Governo colombiano tenta alcançar a "paz plena", negociando um pacto similar com o ELN para pôr termo a mais de meio século de conflito armado.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.