Museu Nacional da Resistência e Liberdade vai ter 40 funcionários - ministra

Peniche, Leiria, 24 abr 2019 (Lusa)- O futuro Museu Nacional da Resistência e Liberdade, para o qual estão a decorrer obras na Fortaleza de Peniche, vai ter um quadro de 40 funcionários, disse hoje em Peniche a ministra da Cultura, Graça Fonseca.

"Este museu vai ter um quadro previsto de 40 funcionários e a Direção-Geral do Património Cultural já iniciou, há algumas semanas, um processo de entrevista de trabalhadores para ir preenchendo os lugares previstos", afirmou Graça Fonseca.

A ministra falava à margem de uma visita para jornalistas à exposição "Por um livre pensamento", que é inaugurada na quinta-feira, na Fortaleza de Peniche, por ela própria e pelo primeiro-ministro.

O diretor vai ser selecionado por concurso público internacional, previsto no novo regime de autonomia dos museus.

A governante adiantou que "enquanto o concurso não estiver concluído", há "recrutamento temporário" de trabalhadores indispensáveis ao funcionamento do espaço, durante os três meses em que a exposição estiver aberta ao público.

As obras vão "decorrer durante este ano e durante o próximo", esclareceu, apontando a inauguração do Museu Nacional da Resistência e da Liberdade para uma data "ao longo do ano de 2020".

"O museu permite guardar aquele pedaço da nossa história que não podemos e não queremos esquecer, não só para honrar essa história, mas fundamentalmente para que, no futuro, não se repita", sublinhou Graça Fonseca.

Em setembro de 2016, a Fortaleza de Peniche, no distrito de Leiria, foi integrada pelo Governo na lista de monumentos históricos a concessionar a privados, no âmbito do programa Revive, mas passados dois meses foi retirada, pela polémica suscitada.

Em abril de 2017, a Assembleia da República defendeu em plenário, da esquerda à direita, a requalificação e a preservação da sua memória histórica enquanto ex-prisão política da ditadura, em alternativa à decisão do Governo.

No mesmo mês, o Governo aprovou, em Conselho de Ministros, um plano de recuperação da Fortaleza de Peniche para instalar na antiga prisão da ditadura do Estado Novo o Museu Nacional da Resistência e da Liberdade, um investimento estimado em 3,5 milhões de euros.

Em 2018, foram lançados concursos para obras, que estão a decorrer, o projeto de arquitetura de adaptação do museu foi entregue ao arquiteto João Barros Matos e o guia de conteúdos, composto por 11 núcleos, foi elaborado pela Comissão de Instalação dos Conteúdos e da Apresentação Museológica.

A fortaleza, classificada como Monumento Nacional desde 1938, foi uma das prisões políticas da ditadura do Estado Novo de onde se conseguiu evadir, entre outros, o histórico secretário-geral do PCP Álvaro Cunhal, em 1960, protagonizando um dos episódios mais marcantes do combate ao regime ditatorial.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.