Municípios precisam tanto de mediador cultural como de outros técnicos -- Governo

A secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, disse hoje que os mediadores culturais são tão importantes para os municípios como os técnicos de outras áreas.

"O município deve reconhecer como é tão fundamental ter uma pessoa a fazer mediação cultural como uma pessoa a tratar de eletricidade ou de arquitetura ou de engenharia", defendeu Rosa Monteiro, durante a sua intervenção na Ação de Capacitação em Mediação Intercultural, que está a decorrer entre terça e quinta-feira em Coimbra.

O mediador é "um elemento fundamental", pois os desafios das migrações "não só para o Governo central, são também para os governos locais", tanto mais que a mediação cultural é um "trabalho de proximidade", sustentou.

O papel do mediador é de "ligação, de tradução (que não é só linguística, é também cultural), é fazer pontes, é trabalhar com profissionais que estão a desenvolver projetos, por exemplo, de combate à exclusão e à pobreza" ou "ao insucesso e ao abandono escolar" ou de "acompanhamento de realojamento", explicitou a secretária de Estado, em declarações à agência Lusa, à margem da sessão.

Nesta ação participam "três pessoas mediadoras que estão a fazer a [sua] formação" -- no âmbito de uma parceria do Alto Comissariado para as Migrações com a Câmara Municipal do Seixal, a Associação de Solidariedade Criar-t, entre outras, que vão cooperar num projeto integrado no "processo de realojamento do chamado bairro Jamaica", exemplificou.

Pretende-se "criar mediadores e mediadoras capazes, que se articulem entre si e que façam o trabalho nos territórios", sintetizou Rosa Monteiro.

Este projeto para a mediação intercultural, que agora está a ser iniciado e decorrerá durante cerca de um ano e meio, envolve municípios e outras entidades, como organizações não-governamentais, universidades e instituições particulares de solidariedade social, entre outras, acrescentou.

Para a secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, o reconhecimento do mediador pelo "catálogo nacional de qualificações" (profissões, numa terminologia menos atual) é igualmente "fundamental".

"A qualificação de Mediador e de Mediadora Intercultural que estamos a definir com a ANQEP [Agência Nacional para a Qualificação e o Ensino Profissional], para constar do Catálogo Nacional de Qualificações, é de nível 4" da formação profissional de nível não superior, adiantou Rosa Monteiro.

Esta qualificação, que deverá ser reconhecida até final deste ano, é "complementar as pós-graduações ou mestrados na área da mediação intercultural que reforçam as competências e qualificações" de mediadores licenciados.

A formação que está a decorrer durante três dias, em Coimbra, e que é a primeira de uma série de ações, reúne cerca de 80 mediadores, de 12 equipas municipais de mediação intercultural (um conjunto de 48 mediadores que atuarão nos seus concelhos durante 36 meses), abrangidas por um financiamento de 3,5 milhões de euros do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego, e de outros projetos e intervenções promovidos por outros municípios e entidades.

A ação tem como objetivo dotar os participantes de "ferramentas na área da mediação intercultural, um mecanismo fundamental para envolver protagonistas locais", nomeadamente cidadãos e profissionais dos serviços públicos, na "capacitação das comunidades para o acesso aos serviços públicos e privados, para a melhoria das suas condições de vida, para a promoção da sua integração e para o aprofundamento de relações sociais positivas em contextos multiculturais".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.