Municípios do Oeste vão poupar 3,5 milhões de euros por ano em energia elétrica

Caldas da Rainha, Leiria, 06 jun 2019 (Lusa) -- Os 12 municípios da região Oeste vão investir 12 milhões de euros para substituir, até ao final do ano, 68.500 luminárias por outras mais eficientes, gerando uma poupança anual de 3,5 milhões de euros na fatura energética.

A substituição das 68.500 luminárias, cerca de metade da totalidade da iluminação pública dos 12 concelhos, vai decorrer "até final do ano", no âmbito do OesteLED, um projeto "inovador que coloca o Oeste entre os dez projetos mundiais com maior dimensão", afirmou André Rijo, presidente da câmara de Arruda dos Vinhos e responsável pela Agência de Ambiente do Oeste - OesteSustentável.

Orçado em 12 milhões de euros, o projeto visa a substituição da iluminação pública por lâmpadas LED que, segundo o presidente da Comunidade Intermunicipal do Oeste (OesteCim), Pedro Folgado, "resultará numa poupança anual de cerca de 3,5 milhões de euros", ou seja, de um total da fatura de sete milhões de euros que os municípios gastam anualmente em eletricidade.

Na vertente ambiental o OesteLED prevê alcançar "um consumo evitado de 24,4 Gigawatt-hora (GWh) por ano" e reduzir a emissão de "mais de 12 mil toneladas de Co2", explicou hoje Pedro Folgado, durante uma conferência de imprensa nas Calda da Rainha, assinalando o arranque do projeto.

"Um Oeste amigo do ambiente, sustentável e onde as pessoas vivam com qualidade" é o objetivo da substituição de pontos de luz que arrancou já nos concelhos de Bombarral, Lourinhã e Sobral de Monte Agraço, no conjunto dos quais foram, nas últimas três semanas, "substituídas 6.000 mil lâmpadas", disse Pedro Folgado, também presidente da câmara de Alenquer.

Até ao final do ano ocorrerão intervenções similares em todos os municípios da região cujos autarcas admitem vir a candidatar-se a um segundo projeto, no âmbito do programa de apoios Portugal 2030, para completar a alteração de toda a iluminação publica para sistemas mais eficientes.

A substituição das luminárias está a ser feita em parceria com uma empresa de serviços energéticos (ESE), através do consórcio Claroeste, ao qual os municípios irão pagar, durante 12 anos de contrato, 40% da poupança alcançada.

O projeto do Oeste reflete o maior investimento do país em iluminação pública eficiente, sendo ultrapassado, em termos mundiais, pela Índia (com 450.000 luminárias substituídas em Hyderabad e 75.000 em Delhi), pelos Estados Unidos da América (com 140.000 luminárias em Los Angeles, 55.000 no Texas, e 42.000 em Las Vegas ), a Argentina (91.000 luminárias em Buenos Aires), a Indonésia (90.000 mil luminária em Jacarta) e Espanha (com 84.000 novas luminária em Madrid).

A OesteCim integra os municípios de Alcobaça, Alenquer, Arruda dos Vinhos, Bombarral, Cadaval, Caldas da Rainha, Lourinhã, Óbidos, Nazaré, Peniche, Sobral de Monte Agraço e Torres Vedras.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.