Município de Ourém investe 735 mil euros em unidades de saúde

Os edifícios de antigos jardins-de-infância e de uma escola vão ser requalificados pelo Município de Ourém para serem criadas três Unidades de Cuidados de Saúde neste concelho do distrito de Santarém.

Na última reunião de executivo, a autarquia, liderada por Luís Albuquerque (coligação PSD/CDS - Ourém Sempre), aprovou, por unanimidade, os projetos de execução das Unidades de Cuidados de Saúde de Alburitel, Olival e Sobral, num valor superior a 735 mil euros.

Numa nota de imprensa, a Câmara informa que, em Alburitel, o projeto de execução refere-se à requalificação do antigo jardim-de-infância existente na freguesia, destinando-o a Unidade de Cuidados de Saúde, num investimento superior a 230 mil euros.

A Unidade de Cuidados de Saúde de Olival está projetada para a antiga escola do ensino básico do 1.º ciclo, edifício que se insere no tecido urbano da localidade e cuja requalificação está orçada em mais de 325 mil euros, refere a mesma nota.

Também a requalificação do antigo jardim-de-infância de Sobral permitirá a instalação de outra Unidade de Cuidados de Saúde, cujo investimento ronda os 186 mil euros.

Salientando que estes projetos eram reivindicações antigas da população, o Município de Ourém informa que os projetos de execução das Unidades de Cuidados de Saúde de Alburitel, Olival e Sobral dispõem de "pareceres favoráveis da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo e da Associação Nacional de Proteção Civil, garantindo o cumprimento das normas regulamentares aplicáveis".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.