Movimento que defende cinema Ícaro reafirma necessidade do espaço em Viseu

O Movimento em Defesa da Sala de Cinema Ícaro, em Viseu, considerou hoje que a interrupção das sessões regulares do Cine Clube de Viseu "vem dar razão à necessidade da existência pública" daquele espaço.

"É com pesar que soubemos que as sessões regulares foram interrompidas, devido às obras projetadas para o IPDJ (Instituto Português da Juventude e Desporto)", refere, em comunicado.

O movimento refere que "o Cine Clube de Viseu tentou, por várias vezes, junto da Câmara Municipal de Viseu, promover a reabertura da sala de cinema ícaro, como sala de excelência para o cinema da cidade".

"Esta paragem só vem dar razão à necessidade da existência pública deste espaço, dedicado à programação de cinema, deixando assim outras salas de Viseu mais disponíveis para outras atividades artísticas", acrescenta.

No seu entender, "é lamentável que em 2019, em Viseu e com a oportunidade criada com a redescoberta da sala de Cinema Ícaro, não haja uma sala de cinema independente para acolher este importante trabalho" do Cine Clube, sendo que também "outros programadores poderiam usufruir deste espaço" para realizarem as suas atividades.

"Os cinéfilos de Viseu encontram-se neste momento, e por tempo indeterminado, sem acesso ao cinema independente. Não há alternativas (regulares) para este público, quando existe uma sala de cinema disponível para ser a casa do cinema", acrescenta.

O Movimento em Defesa da Sala de Cinema Ícaro surgiu em 2018, com o objetivo de dar a conhecer um espaço que esteve fechado desde 2005.

As portas desta sala foram reabertas no evento 'Que sala é esta?', que teve como objetivo mostrá-la "a quem quisesse reviver, conhecer e até reabrir este espaço".

"A reabertura, efémera, aconteceu em maio, com a realização em Viseu do Desobedoc -- Mostra de Cinema Insubmisso. Ficou assim provada a viabilidade deste espaço para a realização de eventos de cinema independente, tendo recebido mais de 750 pessoas em cinco dias", acrescenta.

Em julho, foi lançada uma petição em defesa da sala, que obteve cerca de 1.200 assinaturas, e "a atividade do movimento ficou suspensa temporariamente, enquanto acompanhou o processo de interesse de um grupo privado neste espaço".

"Durante este processo tentámos, junto dos interessados, que o projeto preservasse a identidade e a função principal da sala, o cinema", conta o movimento.

Agora, espera "o desenrolar do processo, na esperança de que a Sala de Cinema Ícaro volte a projetar cinema independente e clássicos do cinema, bem como promover o cinema português".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.