Moçambique/Dívidas: Principal suspeito é ouvido hoje em Nova Iorque

A primeira sessão em tribunal sobre o caso das dívidas ocultas e o pagamento de subornos a membros do governo de Moçambique acontece hoje em Brooklyn, Nova Iorque, às 12:00 locais (17:00 em Lisboa).

A audição pode vir a discutir a situação dos oito arguidos e pode abrir novas revelações sobre o caso, apontando também possíveis datas para o julgamento.

O principal suspeito do caso, Jean Boustani, negociador da empresa Privinvest, é o único que deverá comparecer na sessão inicial, representado pelos seus dois advogados, por ser o único arguido que se encontra nos Estados Unidos da América.

O processo iniciado pela justiça dos Estados Unidos aguarda a extradição do antigo ministro das Finanças de Moçambique Manuel Chang e de três antigos funcionários do banco Credit Suisse, assim como a detenção de outras três pessoas.

Todos os suspeitos estão envolvidos num esquema de corrupção que lesou o Estado moçambicano em 2.200 milhões de dólares (1.920 milhões de euros), devido a empréstimos ocultos às empresas estatais moçambicanas Ematum, Proindicus e MAM, garantidos pelo governo, cujos valores foram desviados para enriquecimento próprio dos suspeitos.

O caso vai ser julgado ao abrigo da Lei das Práticas de Corrupção Estrangeiras (FCPA, na sigla em inglês), que condena o pagamento de subornos a membros de governos estrangeiros para a provação de negócios em benefício próprio.

Manuel Chang, detido a 29 de dezembro na África do Sul, continua as negociações com a justiça sul-africana para ser extraditado para Moçambique em vez dos Estados Unidos.

Outros dois antigos membros do governo de Moçambique, cujas identidades ainda não foram reveladas, também estão arguidos no processo, no qual se incluem ainda três suspeitos moçambicanos com papéis menores no esquema, identificados como co-conspiradores.

O despacho da Acusação assume também que o ex-Presidente Armando Guebuza também recebeu subornos para viabilizar o financiamento da empresa estatal Proindicus.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.