Moçambicanos detidos por posse ilegal de pontas de rinoceronte na África do Sul ouvidos em tribunal

Dois cidadãos moçambicanos compareceram esta manhã perante um juiz sul-africano na província de Mpumalanga, nordeste da África do Sul, por posse ilegal de pontas de rinoceronte, disse à Lusa um porta-voz da Polícia.

"Comparecerem esta manhã no tribunal da magistratura de Belfast, onde se encontram", disse à Lusa o porta-voz da Polícia da África do Sul (SAPS), Leonard Hlathi.

A fonte adiantou que os dois indíviduos, de 46 e 26 anos, foram detidos quinta-feira entre as localidades de Wonderfontein e Alzu Petro Port, arredores da pequena cidade de Belfast, província de Mpumalanga, onde se situa o Parque Nacional Kruger, que faz fronteira com Moçambique.

A pequena cidade de Belfast, popular destino túristico para a pesca à truta, dista cerca de 200 quilómetros do Parque Nacional Kruger.

Os dois cidadãos moçambicanos são acusados de posse ilegal de pontas de rinoceronte, disse a Polícia.

"O ministério da Justiça é quem determina o tipo de medida de coação a aplicar mas julgo que as autoridades judiciais sul-africanas consideram este tipo de crime de enorme gravidade", salientou.

Segundo o porta-voz policial, os dois individuos moçambicanos viajavam a caminho de Middelburg, na autoestrada N4 que liga Komatipoort (principal posto de fronteira entre a África do Sul e Moçambique no extremo do sul do Parque Kruger) e Pretória.

O porta-voz policial, que não precisou o peso e valor das pontas de rinoceronte na posse dos moçambicanos, disse que a SAPS está a investigar a sua origem, acrescentando que dois dias antes haviam sido presos três indíviduos também por posse ilegal de pontas de rinoceronte em Komatipoort, na fronteira com Moçambique.

"Na terça-feira prendemos também outros três suspeitos com duas pontas de rinoceronte em Komatipoort e a carcaça do animal foi indentificada como sendo de um rinoceronte abatido no Parque Nacional Kruger", declarou à Lusa Leonard Hlathi, sem precisar as nacionalidades dos detidos.

Além de posse ilegal de pontas de rinoceronte, o trio - dois homens e uma mulher com idades entre os 21 e 37 anos, é ainda acusado de posse ilegal de uma arma de fôgo e várias munições, afirmou.

Contactado pela Lusa, o Cônsul de Moçambique em Nelspruit, Eugénio Langa, confirmou a detenção e comparecimento hoje em tribunal dos dois cidadãos moçambicanos por posse ilegal de pontas de rinoceronte.

"Hoje foi para a legalização da prisão e pedido de saída em liberdade sob caução, agora depende do deferimento do tribunal mas a hipótese de se deferir julgo que é remota", adiantou.

Segundo o diplomata, que disse aguardar por mais detalhes, os dois cidadãos moçambicanos são pai e filho, residentes em Zimpeto, Maputo.

CYH

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?