Miranda do Corvo adere à rede solidária de compra de medicamentos

A Associação Dignitude e o município de Miranda do Corvo assinaram esta semana um protocolo que visa garantir aos agregados com carência económica do concelho o acesso a medicamentos de forma gratuita, foi hoje anunciado.

O acordo estabelece a adesão daquele concelho do distrito de Coimbra ao programa "Abem" - Rede Solidária do Medicamento", criado pela Dignitude, uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo permitir o acesso, de forma digna, aos medicamentos prescritos a quem não tem capacidade financeira para os adquirir.

"É um esforço de várias entidades, onde o município de Miranda do Corvo se insere, para uma resposta adequada aos problemas do acesso às condições de saúde elementares, como é o caso do acesso aos medicamentos", salientou o presidente da Câmara, citado em comunicado.

Miguel Baptista frisou que sua "a responsabilidade é ajudar quem precisa e é isso que está a fazer", com a assinatura do protocolo, que decorreu na terça-feira, em Miranda do Corvo.

O programa "Abem" suporta, no receituário, o valor não comparticipado pelo Estado, num valor que pode ir até 100% do preço cobrado ao utente.

Assenta numa rede de parcerias que assegura o circuito solidário do medicamento, no qual qualquer pessoa em situação de carência pode ser referenciada pelas entidades locais, que vão desde juntas de freguesia e câmaras municipais, a IPSS e outras instituições da área social.

A Associação Dignitude ajudou, em três anos, mais de 6.000 beneficiários em todo o país, entre idosos e crianças, a adquirirem 120 mil medicamentos de forma completamente gratuita.

Possui mais de 540 farmácias aderentes e 100 entidades parceiras, entre câmaras, juntas de freguesias e Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS).

A criação da associação, em novembro de 2015, foi promovida pela Associação Nacional de Farmácias, Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica, Cáritas e Plataforma Saúde em Diálogo e resulta de várias parcerias instituídas com entidades a nível local, autarquias, Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e outras instituições da área social.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.