Ministros da União para o Mediterrâneo aprovam declaração conjunta para promover emprego

Os ministros do Trabalho da União para o Mediterrâneo reunidos hoje em Cascais aprovaram uma declaração para o desenvolvimento do emprego "eficaz, digno e inclusivo", definindo prioridades "concretas" de ação e um plano de monitorização.

Os governantes definiram, no documento, quatro prioridades, entre as quais o apoio à criação de emprego e trabalho digno e empreendedorismo, a mobilização para a criação de parcerias e sinergias, a construção de mercados de trabalho inclusivos e o investimento qualitativo em sistemas de educação e formação e no desenvolvimento e reforço de competências.

Em conferência de imprensa, o ministro português, Vieira da Silva, que recebeu a quarta edição da Conferência de Ministros de Trabalho e Emprego da União para o Mediterrâneo, destacou o "sucesso" do encontro, que contou com a participação dos parceiros sociais.

"Foram dois dias de um denso e profícuo debate entre os membros da união e convidados que identificaram prioridades", escolhas e conclusões para "apontar caminhos para os próximos três anos", disse o governante, referindo ter ficado claro que o diálogo social é "uma das chaves para atingir mais e melhor emprego nas margens do mediterrâneo".

Os ministros de 43 países estiveram reunidos desde terça-feira em Cascais sob o lema "Empregos, Competências e Oportunidades para Todos", destacando a necessidade de "manter os laços" entre os países de forma a criar mais oportunidades de emprego "digno e estável".

A comissária Europeia do Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral, Marianne Thyssen, sublinhou também em conferência de imprensa a necessidade implementar "um sistema de monitorização das ações empreendidas ao nível do emprego e do trabalho, com base em indicadores e dados confiáveis, bem como a avaliação sobre o seu impacto de forma a que os países percebam "até onde podem ir".

"Estamos longe de ter chegado ao fim", disse.

A União para o Mediterrâneo, criada em 2008, é uma organização intergovernamental que reúne os 28 Estados-membros da União Europeia e os 15 países da margem sul e oriental do Mediterrâneo para promover o diálogo e a cooperação, sendo atualmente copresidida pela Comissão Europeia e pela Jordânia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.