Ministro da Ciência quer resolver precariedade do emprego científico até final de 2019

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, disse hoje à Lusa ter como objetivo resolver a precariedade na área do emprego científico, prevendo cinco mil novos contratos até ao fim da legislatura.

"O Orçamento (para 2018) inclui o apoio suficiente para três mil novos contratos em 2018. E no âmbito desta legislatura, até final de 2019, temos garantidos cinco mil novos contratos", disse o ministro, questionado pela Lusa sobre a precariedade na área do emprego científico.

Na semana passada mais de duas centenas de docentes e investigadores concentraram-se em frente do Ministério da Educação, em protesto contra a precariedade e exigindo a integração no Estado.

Gonçalo Velho, do Sindicato Nacional do Ensino Superior, estimou em sete a oito mil docentes e investigadores na situação de precariedade, alguns há décadas, apesar de haver dois programas que deveriam resolver o problema, o de regularização extraordinária dos precários (PREVPAP) e o da lei de emprego científico, que está por regulamentar e à qual reitores e presidente de politécnicos têm demonstrado "resistência".

Sandra Pereira, presidente da Associação de Bolseiros de Investigação Científica (ABIC), disse na altura à Lusa que há milhares de bolseiros com décadas de precariedade e acrescentou que a ABIC está a convocar uma concentração de bolseiros para a Assembleia da República no dia 14, quando é discutido o orçamento do Estado para o setor em sede de comissão.

Manuel Heitor disse hoje estar certo que com o regime legal já definido e com a regulamentação, "que será aprovada" no âmbito do orçamento para 2018, há "condições financeiras e legais para um processo claro de convergência com a Europa para resolver a questão do emprego científico em Portugal".

Mas avisou: "naturalmente que falta um claro envolvimento e corresponsabilização das instituições e dos seus dirigentes para que todos os processos sejam devidamente abertos no âmbito do contexto legal em curso".

Numa alusão a reitores e presidentes de politécnicos, ainda que sem os citar, Manuel Heitor frisou que o financiamento é uma parte crítica, mas que o processo é também "de corresponsabilização com as instituições, por abertura de concursos" para contratos.

"Não se faz e não se promove emprego científico sem ser com as próprias instituições e estou certo de que as instituições responderão de forma muito positiva aos estímulos que agora são dados através do orçamento de 2018", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.