Ministro da Ciência quer resolver precariedade do emprego científico até final de 2019

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, disse hoje à Lusa ter como objetivo resolver a precariedade na área do emprego científico, prevendo cinco mil novos contratos até ao fim da legislatura.

"O Orçamento (para 2018) inclui o apoio suficiente para três mil novos contratos em 2018. E no âmbito desta legislatura, até final de 2019, temos garantidos cinco mil novos contratos", disse o ministro, questionado pela Lusa sobre a precariedade na área do emprego científico.

Na semana passada mais de duas centenas de docentes e investigadores concentraram-se em frente do Ministério da Educação, em protesto contra a precariedade e exigindo a integração no Estado.

Gonçalo Velho, do Sindicato Nacional do Ensino Superior, estimou em sete a oito mil docentes e investigadores na situação de precariedade, alguns há décadas, apesar de haver dois programas que deveriam resolver o problema, o de regularização extraordinária dos precários (PREVPAP) e o da lei de emprego científico, que está por regulamentar e à qual reitores e presidente de politécnicos têm demonstrado "resistência".

Sandra Pereira, presidente da Associação de Bolseiros de Investigação Científica (ABIC), disse na altura à Lusa que há milhares de bolseiros com décadas de precariedade e acrescentou que a ABIC está a convocar uma concentração de bolseiros para a Assembleia da República no dia 14, quando é discutido o orçamento do Estado para o setor em sede de comissão.

Manuel Heitor disse hoje estar certo que com o regime legal já definido e com a regulamentação, "que será aprovada" no âmbito do orçamento para 2018, há "condições financeiras e legais para um processo claro de convergência com a Europa para resolver a questão do emprego científico em Portugal".

Mas avisou: "naturalmente que falta um claro envolvimento e corresponsabilização das instituições e dos seus dirigentes para que todos os processos sejam devidamente abertos no âmbito do contexto legal em curso".

Numa alusão a reitores e presidentes de politécnicos, ainda que sem os citar, Manuel Heitor frisou que o financiamento é uma parte crítica, mas que o processo é também "de corresponsabilização com as instituições, por abertura de concursos" para contratos.

"Não se faz e não se promove emprego científico sem ser com as próprias instituições e estou certo de que as instituições responderão de forma muito positiva aos estímulos que agora são dados através do orçamento de 2018", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."