Ministra da Saúde diz que reivindicações dos enfermeiros custariam mais de 500 ME

A ministra da Saúde revelou hoje que as reivindicações dos enfermeiros, se fossem todas atendidas, custariam mais de 500 milhões de euros em efeitos remuneratórios, "um caminho" que Marta Temido considera que não é possível percorrer na totalidade.

Marta Temido esteve hoje na reunião do grupo parlamentar do PS, na Assembleia da República, no mesmo dia em que o Governo e os sindicatos de enfermeiros retomam as negociações.

"O caminho que nós já andamos é um caminho que importa 200 milhões de euros só para esta profissão. O caminho que agora nos pedem vai para além dos 500 milhões de euros em termos de efeito remuneratório se todas as reivindicações fossem atendidas", contabilizou, acrescentando que "não é possível fazê-lo todo"

Segundo a ministra da saúde, não é possível atender a todas as reivindicações "por várias razões", a primeira das quais o facto de a primeira obrigação de quem governa ser "com a satisfação das necessidades dos cidadãos".

"A ministra da Saúde e o Governo não são nem ministra da Saúde dos profissionais de Saúde nem Governo apenas das reivindicações profissionais, têm que em primeira mão satisfazer o interesse público", concretizou.

A necessidade de "garantir equidade entre o tratamento das várias profissões e sustentabilidade a longo prazo" são as outras razões apontadas por Marta Temido.

"Não podemos fazer escolhas que ultrapassem essas balizas. Dentro destas balizas, muita disponibilidade para continuar a conversar, para nos aproximarmos, para fazer aquilo que os portugueses esperam de nós", disse ainda.

Questionada sobre as reuniões de hoje de manhã, a ministra da Saúde escusou-se a falar do "conteúdo específico" das mesmas uma vez que para a tarde estão marcadas outras.

"Só no final do dia poderemos dar nota sobre qual é a conclusão do posicionamento sobre estes temas", remeteu.

Para Marta Temido, esta questão com os enfermeiros "não se trata de um braço de ferro, trata-se de um caminho que vem sendo prosseguido com grande esforço por parte do Governo no sentido de construir pontes mesmo quando, às vezes, elas se afiguraram difíceis".

A ministra da Saúde fez questão de salientar algum do caminho já percorrido, como a reposição do período normal de 35 horas semanais, a reposição das remunerações e "outros aspetos vieram depois suscitados pelos profissionais" e ao quais o executivo procurou responder.

O Governo e os sindicatos de enfermeiros retomaram hoje negociações, incluindo as duas estruturas sindicais que têm prevista uma nova greve de longa duração em blocos cirúrgicos em vários hospitais.

Na quarta-feira, os sindicatos dos enfermeiros assumiram que têm baixas expectativas para a reunião de hoje com o Governo e avisam que ou avançam efetivamente as negociações ou avança uma nova "greve cirúrgica" até ao final de fevereiro.

Ler mais

Exclusivos