Ministra da Presidência destaca "passo importante" na promoção da igualdade salarial

A ministra da Presidência do Conselho de Ministros assinalou hoje a entrada em vigor do diploma que visa promover a igualdade salarial entre mulheres e homens, considerando que é "um importante passo" no combate às desigualdades.

"Esta lei constitui um importante passo no trabalho que o Governo tem desenvolvido para combater as desigualdades que ainda persistem entre mulheres e homens e para passarmos finalmente da igualdade de direitos à igualdade de factos", sustentou Mariana Vieira da Silva, na sua "estreia" como porta-voz do Governo no final da reunião do Conselho de Ministros.

O diploma, que entrou hoje em vigor, prevê que as empresas vão ter de demonstrar que pagam salários com base em critérios objetivos e comuns a homens e mulheres, como o mérito, antiguidade, assiduidade ou produtividade.

Os dados mais recentes, do Gabinete de Estratégia e Planeamento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (GEP-MTSSS), revelam que as mulheres auferem salários médios 14,9% mais baixos dos que os homens.

Na prática, quer dizer que as mulheres ganham cerca de menos 150 euros por mês e menos 2.100 euros por ano, o que significa que "a disparidade salarial em Portugal corresponde a uma perda de 544 dias de trabalho remunerado para as mulheres".

A obrigação vale tanto junto dos trabalhadores como da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego (CITE) ou dos tribunais.

A CITE passa a poder emitir pareceres vinculativos sobre a existência de casos de discriminação salarial, a pedido dos trabalhadores ou representantes sindicais, a partir de agosto de 2019.

A ACT poderá notificar as empresas, "cujos balanços evidenciem diferenças remuneratórias, para apresentarem um plano de avaliação dessas diferenças salariais com base na avaliação das componentes dos postos de trabalho".

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.