Migrantes venezuelanos atingem três milhões, 85 mil acolhidos no Brasil

O número de refugiados e migrantes provenientes da Venezuela atingiu três milhões de pessoas, sendo a Brasil o sexto destino, escolhido por 85 mil pessoas, anunciou hoje a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

A América Latina é a região que mais recebeu migrantes venezuelanos, totalizando 2,4 milhões: mais de um milhão foram para a Colômbia, 500 mil para o Peru, 220 mil para o Equador, 130 mil para a Argentina, 100 mil para o Chile e 85 mil para o Brasil.

Os restantes distribuíram-se por outras partes do mundo, segundo um comunicado da organização sediada na Suíça.

"Os países da América Latina e das Caraíbas mantiveram em larga medida uma política louvável de portas abertas a refugiados e migrantes da Venezuela. No entanto, esta capacidade de acolhimento está sob pressão, exigindo uma resposta mais robusta e imediata da comunidade internacional para que se mantenha esta generosidade e solidariedade", sublinhou Eduardo Stein, antigo vice-presidente da Guatemala e representante especial da Organização das Nações Unidas (ONU) para os refugiados e migrantes venezuelanos.

Além dos países da América do Sul, também os países da América Central e Caraíbas têm registado números recorde de chegada de venezuelanos. O Panamá, por exemplo, já recebeu 94.000 pessoas deste país.

Face a estes números, "as necessidades de refugiados e migrantes da Venezuela e das comunidades que os acolhem também aumentaram significativamente", salienta a OIM, acrescentando que os governos da região se vão reunir em Quito para coordenar as respostas e harmonizar as políticas, nos dias 22 e 23 de novembro.

A Plataforma de Coordenação Regional Interagências, criada em setembro e composta por 40 parceiros e participantes, incluindo agências da ONU, outras organizações internacionais, sociedade civil e organizações religiosas, vai reforçar a resposta operacional e humanitária através de um Plano de Resposta para Refugiados e Migrantes da Venezuela (RMRP), a ser lançado em dezembro.

A RMRP vai concentrar-se em quatro áreas estratégicas: assistência direta de emergência, proteção, integração socioeconómica e cultural e capacitação para os governos dos países de acolhimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.