Migrações: Tuberculose está a alastrar em Itália devido a imigrantes - Salvini

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, da extrema-direita, afirmou hoje que a tuberculose está a alastrar em Itália por culpa dos imigrantes ilegais.

"Imigrante doente e fugido, talvez inconsciente da gravidade do seu estado. Quantos há assim", interrogou-se Salvini na sua conta da rede social Facebook.

E acrescentou: "Infelizmente, a tuberculose está a voltar a alastrar. Os italianos pagam os custos sociais e sanitários de anos de desastre e de invasão sem regras e sem controlo".

O titular da pasta do Interior e líder da Liga, o partido de extrema-direita que integra a coligação no poder, juntamente com o antissistema Movimento Cinco Estrelas, comentava assim o alerta emitido pelo presidente do conselho regional do Véneto, no norte de Itália, Roberto Ciambetti, que advertiu de que um imigrante doente com tuberculose fugiu há uns dias de um centro de acolhimento.

Desde que assumiu o cargo no Governo de coligação entre a Liga e o M5E, em junho passado, Salvini impôs uma política dura contra a imigração e acusou os executivos anteriores de terem permitido uma "invasão" de 700.000 ilegais em Itália.

A Justiça italiana abriu contra ele uma investigação por "sequestro agravado", por ter impedido durante dias o desembarque de mais de 100 migrantes resgatados por um barco da Marinha italiana.

Hoje, o Presidente da República italiano, Sergio Mattarella, advertiu de que "ninguém está acima da lei, nem sequer os políticos", numa aparente alusão ao ministro do Interior, que arremeteu contra os juízes após o início da investigação contra si.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?