Migrações: Tuberculose está a alastrar em Itália devido a imigrantes - Salvini

O ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, da extrema-direita, afirmou hoje que a tuberculose está a alastrar em Itália por culpa dos imigrantes ilegais.

"Imigrante doente e fugido, talvez inconsciente da gravidade do seu estado. Quantos há assim", interrogou-se Salvini na sua conta da rede social Facebook.

E acrescentou: "Infelizmente, a tuberculose está a voltar a alastrar. Os italianos pagam os custos sociais e sanitários de anos de desastre e de invasão sem regras e sem controlo".

O titular da pasta do Interior e líder da Liga, o partido de extrema-direita que integra a coligação no poder, juntamente com o antissistema Movimento Cinco Estrelas, comentava assim o alerta emitido pelo presidente do conselho regional do Véneto, no norte de Itália, Roberto Ciambetti, que advertiu de que um imigrante doente com tuberculose fugiu há uns dias de um centro de acolhimento.

Desde que assumiu o cargo no Governo de coligação entre a Liga e o M5E, em junho passado, Salvini impôs uma política dura contra a imigração e acusou os executivos anteriores de terem permitido uma "invasão" de 700.000 ilegais em Itália.

A Justiça italiana abriu contra ele uma investigação por "sequestro agravado", por ter impedido durante dias o desembarque de mais de 100 migrantes resgatados por um barco da Marinha italiana.

Hoje, o Presidente da República italiano, Sergio Mattarella, advertiu de que "ninguém está acima da lei, nem sequer os políticos", numa aparente alusão ao ministro do Interior, que arremeteu contra os juízes após o início da investigação contra si.

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.