Migrações: Organização alemã denuncia blooqueio de operações do seu avião em Malta

A organização alemã Sea-Watch denunciou hoje que as autoridades de Malta bloquearam as operações do seu avião de reconhecimento "Moonbird" para o resgate de imigrantes no Mediterrâneo, depois de há alguns dias impedirem de zarpar o navio "Sea-Watch 3".

"Cerca de mil pessoas ter-se-iam afogado, com certeza, se o nosso "Moonbird" não tivesse detetado no último segundo o naufrágio dos seus navios. Agora, esta ferramenta de resgate também é bloqueada pelas autoridades da União Europeia (UE), mesmo que estejamos a enfrentar os dias mais mortíferos desde o início dos registos", denunciou a organização não-governamental numa mensagem divulgada na sua conta no Twitter.

Para a organização, isso é uma prova de que "obviamente, as testemunhas não são bem-vindas".

A aeronave de reconhecimento tipo Cirrus SR22, operada pela Sea-Watch em colaboração com a iniciativa humanitária dos pilotos suíços da HPI, tem desde a primavera de 2017 realizado voos sobre o Mediterrâneo Central, a fim de alertar sobre navios à deriva ao Centro de Coordenação de Salvação em Roma.

O aparelho auxilia a frota civil na coordenação de ações de resgate.

Na sua página na internet, a Sea-Watch lembra que em 2017 cerca de 3.500 pessoas morreram em águas do Mediterrâneo, sublinhando que sem a ajuda do avião "Moonbird" - que naquele ano detetou um total de 119 navios à deriva -, teriam sido provavelmente mais mil pessoas a morrer.

Há dois dias, a Sea-Watch denunciou que as autoridades maltesas estavam a impedir, "sem base legal", que o seu navio "Sea-Watch 3" partisse para resgatar imigrantes no Mediterrâneo.

"Neste momento, não há um navio adequado para resgate na área de operações, apesar do facto de o "Sea-Watch 3" estar bem equipado e pronto para navegar", acrescentou a ONG.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?