Migrações: Hungria diz que decisão do Tribunal europeu é "irresponsável"

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Hungria qualificou hoje de "indignante" e "irresponsável" a decisão do Tribunal de Justiça da União Europeia e assegurou que a Hungria "não está disposta a aceitar nem um imigrante".

O Tribunal rejeitou hoje os recursos interpostos pela Eslováquia e pela Hungria contra as quotas de acolhimento de refugiados fixadas pelo Conselho Europeu no pico do afluxo de refugiados a Grécia e Itália, em 2015, e determinou que os dois países não podem recusar receber candidatos a asilo.

"A decisão do Tribunal de Justiça da UE é irresponsável" e tem um "caráter político", disse à imprensa o chefe da diplomacia húngara, Peter Szijarto, acrescentando que Budapeste vai continuar "a lutar" contra quaisquer quotas.

"Esta decisão ameaça a segurança de toda a Europa", acrescentou o ministro.

Para ele, com esta decisão, o Tribunal "legitimou abertamente o poder da UE sobre os seus Estados-membros".

Já o primeiro-ministro da Eslováquia, Robert Fico, reagiu afirmando à imprensa que respeita a decisão.

"Respeitamos plenamente o veredicto do Tribunal Europeu de Justiça", disse, acrescentando no entanto que a posição do seu governo quanto às quotas "não mudou de todo".

O Tribunal, com sede no Luxemburgo, validou o mecanismo que prevê a "recolocação" a partir da Grécia e de Itália de 160.000 pessoas, candidatas a uma proteção internacional por um período de dois anos.

O programa de recolocação termina a 26 de setembro, com números de refugiados reinstalados bastante inferiores ao objetivo definido: a 31 de agosto, menos de 28.000 pessoas tinham sido transferidas para terceiros países.

A decisão hoje anunciada não é passível de recurso.

O veredicto foi entretanto saudado pela organização de defesa dos direitos humanos Amnistia Internacional, que voltou a criticar os governos da Hungria e da Eslováquia por tentarem tornar os seus países "livres de refugiados".

"A Hungria e a Eslováquia tentaram escapar ao sistema de solidariedade da UE, mas todos os países têm um papel a desempenhar na proteção das pessoas que fogem da violência e da perseguição", disse a responsável da organização para a Europa, Iverna McGowan.

McGowan apelou aos países europeus que "demonstrem solidariedade uns com os outros e com os refugiados que procuram proteção na Europa".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.