Migrações: Eixo junta Áustria, Alemanha e Itália na luta contra imigração ilegal

O chanceler austríaco anunciou hoje a criação de um "eixo" com os ministros da Administração Interna da Áustria, Alemanha e Itália para lutar contra a imigração ilegal na União Europeia, quando os europeus se dividem acerca desta questão.

"Estou satisfeito com a boa cooperação que queremos construir entre Roma, Viena e Berlim" nesta área, declarou Sebastian Kurz, durante uma conferência de imprensa em Berlim, na Alemanha.

"Na nossa opinião, é necessário um eixo de voluntários na luta contra a imigração ilegal", acrescentou o responsável austríaco, depois de um encontro com o ministro da Administração Interna alemão, Horst Seehofer.

O chanceler austríaco realçou que há cada vez mais pessoas a chegar à Grécia e novos desenvolvimentos no caminho albanês.

"Penso que é importante não esperar pela catástrofe, como em 2015, mas agir contra [ela] a tempo", defendeu Sebastian Kurz, que fez da luta contra a imigração a prioridade da sua presidência da União Europeia (UE) que começa a 01 de julho.

Referiu-se ao fluxo migratório de 2015, quando centenas de milhares de pessoas a pedir asilo atravessaram a Europa a pé. Angela Merkel e o chanceler austríaco na altura abriram os seus países a estes migrantes, a maior parte vindos da Síria, Iraque e Afeganistão.

Sebastian Kurz está no cargo de chanceler desde final de 2017 em aliança com a extrema direita e propôs um projeto anti-imigração. A Itália também passou a ter um governo duro acerca deste tema, ao reunir extrema direita e populistas.

Os ministros italiano, Matteo Salvini, e austríaco, Herbert Kickl, são ambos de extrema direita e o seu homólogo alemão também tem transmitido opiniões fortes acerca das questões migratórias, estando atualmente em conflito com a chanceler Angela Merkel, que rejeitou o seu projeto de endurecimento no acolhimento das pessoas que pedem asilo.

O anúncio da criação de um eixo Berlim-Roma-Viena sobre estes assuntos vem fragilizar a posição de Angela Merkel que procura conseguir um acordo para um sistema de asilo europeu, para apresentar na cimeira da UE no final deste mês. Vários países, nomeadamente do leste europeu, opõem-se dizendo que não querem ser a repartição europeia dos refugiados.

Sebastian Kurz salientou que "graças a Deus" numerosos países da UE são a favor de soluções firmes face à imigração clandestina, citando a Holanda e a Dinamarca. A Hungria, a Polónia e a República Checa também se opõem às ideias da chanceler alemã.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.