Migrações: Eixo junta Áustria, Alemanha e Itália na luta contra imigração ilegal

O chanceler austríaco anunciou hoje a criação de um "eixo" com os ministros da Administração Interna da Áustria, Alemanha e Itália para lutar contra a imigração ilegal na União Europeia, quando os europeus se dividem acerca desta questão.

"Estou satisfeito com a boa cooperação que queremos construir entre Roma, Viena e Berlim" nesta área, declarou Sebastian Kurz, durante uma conferência de imprensa em Berlim, na Alemanha.

"Na nossa opinião, é necessário um eixo de voluntários na luta contra a imigração ilegal", acrescentou o responsável austríaco, depois de um encontro com o ministro da Administração Interna alemão, Horst Seehofer.

O chanceler austríaco realçou que há cada vez mais pessoas a chegar à Grécia e novos desenvolvimentos no caminho albanês.

"Penso que é importante não esperar pela catástrofe, como em 2015, mas agir contra [ela] a tempo", defendeu Sebastian Kurz, que fez da luta contra a imigração a prioridade da sua presidência da União Europeia (UE) que começa a 01 de julho.

Referiu-se ao fluxo migratório de 2015, quando centenas de milhares de pessoas a pedir asilo atravessaram a Europa a pé. Angela Merkel e o chanceler austríaco na altura abriram os seus países a estes migrantes, a maior parte vindos da Síria, Iraque e Afeganistão.

Sebastian Kurz está no cargo de chanceler desde final de 2017 em aliança com a extrema direita e propôs um projeto anti-imigração. A Itália também passou a ter um governo duro acerca deste tema, ao reunir extrema direita e populistas.

Os ministros italiano, Matteo Salvini, e austríaco, Herbert Kickl, são ambos de extrema direita e o seu homólogo alemão também tem transmitido opiniões fortes acerca das questões migratórias, estando atualmente em conflito com a chanceler Angela Merkel, que rejeitou o seu projeto de endurecimento no acolhimento das pessoas que pedem asilo.

O anúncio da criação de um eixo Berlim-Roma-Viena sobre estes assuntos vem fragilizar a posição de Angela Merkel que procura conseguir um acordo para um sistema de asilo europeu, para apresentar na cimeira da UE no final deste mês. Vários países, nomeadamente do leste europeu, opõem-se dizendo que não querem ser a repartição europeia dos refugiados.

Sebastian Kurz salientou que "graças a Deus" numerosos países da UE são a favor de soluções firmes face à imigração clandestina, citando a Holanda e a Dinamarca. A Hungria, a Polónia e a República Checa também se opõem às ideias da chanceler alemã.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.