Messi entra para resolver problemas do FC Barcelona com o Leganés

O FC Barcelona, líder da Liga espanhola de futebol, sofreu hoje para vencer o Leganés, por 3-1, sossegando apenas nos descontos do jogo da 20.ª jornada, que teve um golo polémico de Luis Suárez.

Messi começou o jogo no banco -- Nélson Semedo não saiu de lá -, mas aos 64 minutos entrou para mudar a história do encontro e sentenciá-lo com um golo, aos 90+2, após tabela com Jordi Alba e um remate sem defesa.

Antes, tinha obrigado o guarda-redes Cuéllar a defesa difícil para a frente, surgindo Suárez (71) na recarga, a empurrar, fazendo jogo perigoso que o videoárbitro validou, entendendo que o uruguaio tocou primeiro a bola.

O francês Dembelé tinha inaugurado o marcador, aos 32 minutos, após combinar com Jordi Alba e atirar, na área, sem oposição, porém o Leganés empataria em contra-ataque concluído na pequena área com desvio do avançado internacional dinamarquês Martin Braithwaite (57).

O Barcelona soma agora 46 pontos, mais cinco do que o Atlético de Madrid e 10 do que o Real Madrid.

O Rayo Vallecano de Bebé, que entrou aos 63, chegou a liderar por 2-0 sobre a Real Sociedad, mas deixou-se empatar 2-2 e está em antepenúltimo com 20 pontos.

A dois, no 19.º posto, está o Villarreal, adversário do Sporting na Liga Europa, que já vai em sete encontros sem vencer, empatando 1-1 em casa com o Athletic Bilbau.

Nos outros encontros, o Betis bateu o Girona por 3-2, enquanto o Levante venceu o Valladolid 2-0.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.