Meia centena de escolas encerradas no distrito de Santarém devido à greve - sindicato

Meia centena de escolas públicas do distrito de Santarém encerraram hoje devido à greve dos trabalhadores não docentes, segundo informação da delegação distrital do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Em comunicado, a delegação de Santarém do STFPSSRA saúda a "forte adesão" à greve e elenca as dezenas de escolas da região sem aulas ou mesmo encerradas devido à paralisação do pessoal auxiliar.

Segundo o sindicato, na capital do distrito ficaram sem aulas os alunos de uma das duas escolas secundárias da cidade (Ginestal Machado), uma das três escolas de segundo e terceiro ciclo encerrou e outra funcionou apenas na parte da manhã, por não dispor de serviço de bar nem de refeitório, e ficaram igualmente sem aulas quatro escolas de primeiro ciclo, um centro escolar e um jardim-de-infância.

O sindicato elenca ainda escolas sem aulas nos concelhos de Abrantes, Benavente, Torres Novas, Alcanena, Vila Nova da Barquinha, Coruche, Alpiarça, Constância, Rio Maior, Entroncamento, Golegã e ainda na Azambuja (distrito de Lisboa).

A greve foi convocada devido à "ausência de respostas por parte do Ministério da Educação às reivindicações dos trabalhadores", nomeadamente quanto à falta de pessoal nas escolas, pela dignificação das carreiras e contra a municipalização da educação, adianta a nota.

Num balanço feito ao final da manhã, a Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais afirmou que em todo o país encerraram cerca de 500 escolas, situando-se a adesão à greve entre os 80% e os 85%.

Artur Sequeira lembrou os principais motivos do protesto: baixos salários, precariedade ou a falta de funcionários nas escolas.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.