Meia centena de escolas encerradas no distrito de Santarém devido à greve - sindicato

Meia centena de escolas públicas do distrito de Santarém encerraram hoje devido à greve dos trabalhadores não docentes, segundo informação da delegação distrital do Sindicato dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais.

Em comunicado, a delegação de Santarém do STFPSSRA saúda a "forte adesão" à greve e elenca as dezenas de escolas da região sem aulas ou mesmo encerradas devido à paralisação do pessoal auxiliar.

Segundo o sindicato, na capital do distrito ficaram sem aulas os alunos de uma das duas escolas secundárias da cidade (Ginestal Machado), uma das três escolas de segundo e terceiro ciclo encerrou e outra funcionou apenas na parte da manhã, por não dispor de serviço de bar nem de refeitório, e ficaram igualmente sem aulas quatro escolas de primeiro ciclo, um centro escolar e um jardim-de-infância.

O sindicato elenca ainda escolas sem aulas nos concelhos de Abrantes, Benavente, Torres Novas, Alcanena, Vila Nova da Barquinha, Coruche, Alpiarça, Constância, Rio Maior, Entroncamento, Golegã e ainda na Azambuja (distrito de Lisboa).

A greve foi convocada devido à "ausência de respostas por parte do Ministério da Educação às reivindicações dos trabalhadores", nomeadamente quanto à falta de pessoal nas escolas, pela dignificação das carreiras e contra a municipalização da educação, adianta a nota.

Num balanço feito ao final da manhã, a Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais afirmou que em todo o país encerraram cerca de 500 escolas, situando-se a adesão à greve entre os 80% e os 85%.

Artur Sequeira lembrou os principais motivos do protesto: baixos salários, precariedade ou a falta de funcionários nas escolas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.