Medina, vereadores e deputados municipais tomaram posse para mandato 2017-2021 em Lisboa

Os 17 vereadores da Câmara Municipal de Lisboa e os 75 deputados da Assembleia Municipal tomaram hoje posse para o mandato 2017-2021, numa cerimónia que decorreu na Praça do Município.

A presidente da Assembleia Municipal, Helena Roseta, deu posse ao presidente da Câmara, Fernando Medina (eleito pelo PS), e aos restantes 16 vereadores do executivo.

O executivo socialista será composto por Fernando Medina (presidente), Duarte Cordeiro, Paula Marques, Manuel Salgado, João Paulo Saraiva, Catarina Vaz Pinto, José Sá Fernandes e Miguel Gaspar, mas ainda não são conhecidas as pastas que assumirão.

Pela Coligação Nossa Lisboa (CDS-PP/PPM/MPT) tomaram posse Assunção Cristas, João Gonçalves Pereira, Maria Zagalo e Miguel Moreira da Silva.

Pelo PSD, tomou posse Teresa Leal Coelho, que é reconduzida, e o estreante João Pedro Costa.

A CDU (coligação PCP/PEV) elegeu João Ferreira e Carlos Moura, enquanto o vereador do Bloco de Esquerda (BE) será Ricardo Robles.

Para além dos 51 deputados eleitos diretamente, foram também empossados os 24 presidentes das Juntas de Freguesia, que integram a assembleia por inerência: Jorge Marques (Ajuda), Davide Amado (Alcântara), André Caldas (Alvalade), Fernando Braancamp (Areeiro), Margarida Martins (Arroios), Ana Gaspar (Avenidas Novas), Silvino Correia (Beato), Fernando Ribeiro Rosa (Belém), Inês Drummond (Benfica), Pedro Cegonho (Campo de Ourique), André Couto (Campolide), Fábio Sousa (Carnide), Luís Newton (Estrela), Pedro Delgado Alves (Lumiar), José António Videira (Marvila), Carla Madeira (Misericórdia), Rute Lima (Olivais), Parque das Nações (Mário Patrício), Sofia Dias (Penha de França), Maria da Graça Ferreira (Santa Clara), Miguel Coelho (Santa Maria Maior), Vasco Morgado (Santo António), António Cardoso (São Domingos de Benfica), Natalina Moura (São Vicente).

A cerimónia estava marcada par as 17:00, mas começou meia hora mais tarde.

O presidente da Câmara, Fernando Medina, foi o último a chegar, vindo dos Paços do Concelho.

Entre os cerca de 800 presentes, contam-se o presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, o presidente da Carris, Tiago Farias, e o presidente da EMEL, Luís Natal Marques.

Na sua intervenção, que abriu a cerimónia, a presidente da Assembleia Municipal, Helena Roseta, aproveitou para destacar o papel deste órgão e pediu que lhe seja dada mais atenção e reconhecida a sua importância.

Na sua opinião, "é muito importante chamar a atenção" para esta questão, num tempo em que se fala na descentralização do Estado para os municípios.

Na opinião da autarca, é também "fundamental que haja mudanças legislativas para poder acompanhar poder local do séc XXI", nomeadamente quanto ao processo eleitoral e às competências das autarquias locais.

A independente, eleita nas listas socialistas, aproveitou ainda para lembrar que "faz em dezembro 41 anos" que foi eleita vereadora de Lisboa.

Na sua opinião, o "poder local é de facto uma paixão" e constitui "um meio, não um fim".

"Que seja este um tempo justo para a cidade de Lisboa", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.