Marvão recebeu mais turistas em 2018, sobretudo portugueses e espanhóis

O número de turistas que visitou a vila de Marvão, no distrito de Portalegre, subiu em 2018, sobretudo portugueses e espanhóis, tendo o posto de turismo recebido mais de 41 mil visitantes, divulgou hoje o município.

Segundo a autarquia, o posto de turismo registou 41.540 visitantes, mais 2.434 do que em 2017.

Os turistas portugueses (14.525), espanhóis (8.321) e franceses (3.932) são, de acordo com os dados do município, os que "mais continuam a procurar Marvão, enquanto destino turístico".

De acordo com a câmara municipal, o "aumento mais surpreendente" é o de visitantes oriundos de Taiwan, num total de 3.084, em 2018, mais 2.588 do que em 2017, estando os turistas deste país em quarto lugar na tabela de visitantes.

A autarquia destaca também o número de visitantes italianos, que em 2018 foram cerca de 2.000.

Contrariamente ao verificado nos anos de 2016 e 2017, em que o posto de turismo acolheu mais visitantes no mês de maio, em 2018 foi em agosto que se registaram mais atendimentos turísticos (5.522).

A "crescente procura de Marvão" por turistas de todo o mundo é justificada pelo município do Alto Alentejo com "o enorme potencial turístico do concelho, com o seu património histórico, paisagístico, gastronómico e cultural".

Os dados divulgados, de acordo com a autarquia, dizem apenas respeito aos turistas atendidos no posto de turismo, mas são um indicativo de que "Marvão continua a ser um destino turístico de excelência".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.