Marinha e Arsenal do Alfeite associam-se aos estaleiros tkMS para modernização das capacidades

A Marinha e a Arsenal do Alfeite S. A. assinaram hoje um acordo de cooperação com os estaleiros alemães tkMS que prevê formação, intercâmbio de pessoal e a modernização tecnológica e logística, visando ganhar mais capacidades e clientes.

Ao abrigo do acordo hoje assinado, que é válido por cinco anos, a Marinha portuguesa contratará ainda em maio ao fabricante tkMS [thyssenkrupp Marine Systems] a reparação intermédia do submarino Arpão, que será iniciada "no outono", nas instalações do Arsenal português.

Por proposta da empresa alemã, fabricante dos submarinos portugueses, a parceria para dotar a Arsenal do Alfeite de competências na manutenção e reparação dos submarinos em Portugal poderá ser alargada à construção, manutenção e reparação de navios de superfície e respetivos sistemas.

O acordo de cooperação permite "formação e treino de pessoal de ambas as empresas", a elevação das capacidades tecnológicas, a "modernização da gestão logística" para mudar "o paradigma de um estaleiro dos anos 80 para um atual", sublinha a administração da empresa.

"Este acordo nasceu em torno da necessidade de capacitação do Arsenal do Alfeite para a reparação do submarino Arpão, e por sugestão do próprio estaleiro alemão, o acordo foi alargado aos navios de superfície. Eu diria que estamos perante uma grande oportunidade para o Arsenal do Alfeite se modernizar e ter um futuro promissor", disse o secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, em declarações à Lusa.

Na sua intervenção após a assinatura do acordo, numa cerimónia que contou também com a presença do secretário de Estado do Tesouro, Álvaro Novo, Marcos Perestrello considerou que a parceria "traz também fortes responsabilidades ao Estado português", acionista único do Arsenal do Alfeite.

Nesse sentido, Marcos Perestrello frisou que "as respostas rápidas e criteriosas às solicitações da gestão, às autorizações dos investimentos necessários requerem um acompanhamento próximo" da vida da empresa.

Segundo o secretário de Estado, "foram realizados este ano investimentos de 3,5 milhões de euros na formação de pessoal, aquisição de equipamentos e modernização oficinal e na empreitada que está prestes a começar de dragagens do acesso à sua doca".

Para o Governo, o acordo representa "uma oportunidade enorme de modernização [do Arsenal do Alfeite], de aumento da sua capacidade de angariação de clientes e da sua capacidade de resposta às necessidades da própria Marinha".

O secretário de Estado sublinhou que o acordo vai permitir também que a tkMS expanda o seu negócio, ao subcontratar a empresa portuguesa para a construção, reparação e manutenção de navios de outros clientes.

O primeiro submarino, reparado nos estaleiros do fabricante alemão, deverá chegar à Base Naval de Lisboa no início de julho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.