Marcelo anuncia que Lisboa acolherá reunião do Grupo de Arraiolos em 2020

O Presidente da República anunciou hoje que Lisboa irá acolher a reunião anual do Grupo de Arraiolos em 2020, a organizar por Portugal, na qual se assinalará a iniciativa de Jorge Sampaio de criar este fórum.

"Como sabem, o Grupo de Arraiolos foi uma iniciativa do Presidente Jorge Sampaio. Vamos assinalar isso daqui a dois anos em Lisboa. Eu irei comunicar aos meus pares que Lisboa é exatamente a cidade escolhida para receber em 2020 a cimeira de Arraiolos", declarou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, em Riga.

O chefe de Estado falava num hotel da capital da Letónia, onde chegou hoje para participar, entre quinta e sexta-feira, na 14.ª reunião do Grupo de Arraiolos, que junta anualmente chefes de Estado da União Europeia sem poderes executivos.

Este grupo informal reuniu-se pela primeira vez na vila alentejana de Arraiolos, em 2003, por iniciativa do então Presidente da República de Portugal, Jorge Sampaio, que procurou juntar um conjunto de chefes de Estado com poderes semelhantes aos seus para discutir o futuro da União Europeia.

De acordo com a Presidência da República, neste 14.º encontro, na Letónia, estarão, além de Marcelo Rebelo de Sousa e do Presidente do país anfitrião, Raimonds Vjonis, do Partido Verde Letão, os chefes de Estado da Alemanha, Áustria, Bulgária, Croácia - apenas no primeiro dia -, Estónia, Finlândia, Grécia, Itália, Letónia, Malta e Polónia.

Desde a reunião de Arraiolos em 2003, realizaram-se treze encontros, que têm tido periodicidade anual. Marcelo Rebelo de Sousa, que assumiu funções como Presidente da República em março de 2016, esteve presente na 12.ª reunião, que decorreu nesse ano na Bulgária, e na 13.ª, em Malta, em 2017.

A reunião do próximo ano vai realizar-se na Grécia e Portugal irá organizar a reunião de 2020.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.